Economista vê semelhança entre PT e o PRI

A escolha de Dilma Rousseff como candidata do PT é um "dedaço com caipirinha", aponta o economista-sênior da Wells Fargo Securities, Eugenio Aleman. Ele acredita que o apoio de Luiz Inácio Lula da Silva a uma "desconhecida" guarda alguma similaridade com o "dedaço" praticado pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), que ficou no poder por 70 anos no México - a expressão surgiu porque, durante esse período, o PRI apontava o dedo para quem considerava o sucessor e, por muitas vezes, este foi eleito.

Daniela Milanese, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

"Por sete décadas, o processo funcionou bem, já que cada escolhido foi realmente eleito presidente do país", completou o economista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.