Edinho continuará preso, decide juiz

Edson Cholbi do Nascimento, o ex-goleiro Edinho e filho de Pelé, continuará preso por decisão do juiz da 1ª Vara Criminal de Praia Grande, Edegar de Sousa Castro, que negou nesta segunda-feira o pedido apresentado pela defesa de revogação da prisão temporária. Ele está preso na Penitenciária 2 de Tremembé por conta de um segundo processo que responde em Praia Grande, desta vez por lavagem de dinheiro. Sua prisão preventiva decretada na outra ação - por tráfico de entorpecentes - havia sido revogada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).O segundo processo também corre em segredo parcial de justiça a decisão do juiz Edegar de Sousa Castri acatou parcialmente a posição da promotora Lizandra Maria Lapenna. Ele considerou a garantia da ordem pública e da instrução criminal e rejeitou o terceiro item - aplicação da lei penal - porque considerou que Edinho não tinha intenção de fugir, tanto que foi preso em seu apartamento.Com a decisão, a defesa deverá recorrer ao Tribunal de Justiça para conseguir a revogação da prisão temporária e, a exemplo da liberdade conseguida no processo por tráfico, o caso poderá chegar ao Supremo Tribunal Federal. O pedido percorreu todas as instâncias até ser concedido pelo STF.DefesaA linha dos defensores não vai mudar: a ordem de prisão no processo por lavagem de dinheiro não tem embasamento e não cumpre os requisitos legais para a decretação, uma vez que Edinho ficou solto durante 40 dias e não revelou qualquer intenção de fuga, tendo comparecido aos todos os atos processuais marcados pelo justiça. O passaporte do ex-jogador está retido na Justiça e ele estava sendo submetido a um tratamento médico para se livrar da dependência à maconha e trabalhava normalmente.A prisão de Edinho ocorreu durante a Operação Indra, desenvolvida pelo Denarc em junho do ano passado e que desbaratou a quadrilha de Ronaldo Duarte Barsotti de Freitas, o Naldinho, acusado de chefiar o tráfico de drogas na Baixada. O ex-jogador foi acusado de participar do esquema em associação para o tráfico e reponde também pelo crime de lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.