Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Edison Brittes se cala durante audiência no Caso Daniel

Empresário é assassino confesso do jogador, crime que aconteceu em São José dos Pinhais. Outros réus também foram ouvidos pela Justiça nesta quarta

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

04 de setembro de 2019 | 23h37

CURITIBA – O empresário Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel Corrêa Freitas, torturado e morto em outubro do ano passado, após uma festa na casa de Brittes, permaneceu calado durante a audiência no Fórum de São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba). Com a estratégia adotada pela defesa do empresário, os acusados Ygor King e David Willian Vollero Silva também permaneceram calados.

O advogado dos dois jovens, Rodrigo Faucz, acredita que seus clientes não irão a júri. “Há a expectativa de não irem a júri por conta do homicídio, apenas pelas agressões, mas, no caso deles irem à júri, terão de explicar suas participações”, comentou à imprensa.

As audiências ocorreram nesta quarta-feira, 4, no Fórum de São José dos Pinhais, com a juíza Luciani Regina Martins de Paula, do Ministério Público do Paraná (MP-PR). As sessões, que duraram cerca de seis horas, começaram com o depoimento de Allana Brittes – filha do empresário e que está em liberdade – e de Evellyn Brisola Perusso.

Allana não respondeu os promotores e Evellyn falou sobre o caso e voltou a acusar Eduardo Purkote de participação no crime. Purkote não foi denunciado.

Antes de Cristiana Brittes, que encerrou o ciclo de audiências, a juíza ouviu Eduardo Henrique da Silva. O advogado de defesa de Cristiana, Cláudio Dalledone, ressaltou que sua cliente mostrou não ter participado do crime e voltará a pedir a revogação de sua prisão (no momento ela responde em liberdade).

O advogado da família Brittes, Nilton Ribeiro, acredita que a sentença deve ser proferida ainda neste ano e que há possibilidade de irem a júri popular. Na opinião de Renan Canto, que defende Allana, sua cliente mostrou que não teve participação no que ocorreu ao jogador. “Ela esclareceu os fatos, desde a festa na Shed, a sua não participação e da mãe dela, disse.

Cinco respondem por assassinato de jogador

Edison Brittes Junior, Eduardo Henrique da Silva, Ygor King, e David Willian Vollero Silva respondem por homicídio qualificado, com motivo torpe, meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima, ocultação de cadáver e fraude processual.

Cristiana Brittes responde por homicídio qualificado, com motivo torpe, e coação no curso do processo, e a filha Allana Brittes é denunciada por coação de testemunhas, corrupção de menores e fraude processual. Evellyn Perusso está respondendo por fraude processual.

Acusado por Edison Brittes de ter tentado estuprar Cristiana, Daniel foi agredido pelos denunciados, depois castrado, morto e jogado em um terreno na Colônia Mergulhão, na área rural de São José dos Pinhais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.