Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Edmundo é levado para cela de delegacia

Ex-jogador foi preso após determinação da Justiça; polícia do Rio deve fazer transferência à tarde

Priscila Trindade, do estadão.com.br,

16 de junho de 2011 | 09h16

SÃO PAULO - O ex-jogador de futebol e comentarista esportivo Edmundo Alves de Souza Neto, de 40 anos, deixou por volta das 9 horas desta quinta-feira, 16, a sala reservada onde passou a madrugada e seguiu para uma cela na Delegacia Seccional de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Ele está sozinho na cela. Agentes da Polinter já deixaram o Rio para vir buscar o ex-jogador, segundo a Polícia Civil.

 

Edmundo foi preso nesta madrugada dentro de um flat no Itaim Bibi, na zona oeste, por agentes do Setor de Investigações Gerais (SIG) da 3ª Delegacia Seccional Oeste. Ele estava sozinho no momento da abordagem e não ofereceu resistência.

 

De acordo com o delegado-titular da SIG, Eduardo Castanheira, o ex-jogador foi pego de surpresa. "Chegamos no local, o porteiro nos confirmou que ele [Edmundo] estava no apartamento 402 e nos deixou entrar. Batemos na porta e o próprio Edmundo nos atendeu. Parecia que ele tinha acabado de acordar. Estava meio dormindo ainda e não resistiu à prisão. Esperamos, então, ele tomar banho. Ele ligou para o advogado e depois o trouxemos para cá", disse.

 

A polícia realizou a prisão após receber uma denúncia anônima por volta das 23 horas de ontem. Depois de ser preso, o ex-jogador foi levado por volta das 5h20 para fazer o exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML).

 

Transferência. Por volta das 9h, policiais civis deixaram o Rio para transferir Edmundo para a cidade. Os agentes da Polinter viajam de carro para São Paulo e devem chegar à tarde. A corporação não informou, porém, a quantidade de carros e de agentes que farão a escolta do dele.

 

Edmundo era considerado foragido da Justiça. Agentes da Polícia Civil do Rio percorreram na quarta-feira cinco endereços registrados em nome do ex-atleta, que não foi localizado. Seus telefones celulares também ficaram desligados.

 

Crime. Edmundo foi preso após a expedição de um mandado de prisão emitido pela Justiça fluminense. Ele foi condenado em 1999 a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, pelos homicídios culposos de três pessoas e lesões corporais de outras três em um acidente de carro. O acidente aconteceu na madrugada do dia 2 de dezembro de 1995, depois dele sair de uma boate na Lagoa, bairro da zona sul carioca.

 

Edmundo não possui formação superior, estudou até a 6ª série do Primeiro Grau, portanto, pela lei, não teria direito a cela especial.

 

(Com Pedro da Rocha e Ricardo Valota, do estadão.com.br, e Alfredo Junqueira, de O Estadod e S.Paulo)

 

Atualizado às 11h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.