Eduardo Campos se elege novo governador de Pernambuco

Eduardo Campos (PSB) é eleito governador de Pernambuco com 65,36% dos votos válidos, segundo o Tribunal Superior Eleitoral com todas as urnas apuradas. Seu adversário na disputa, o atual governador José Mendonça Filho (PFL), com quem disputou o segundo turno, ficou com 34,64% dos votos. No primeiro turno, o candidato do PSB havia obtido 33,8% dos votos válidos contra 39,3% de Mendonça Filho.Campos chegou atrás de seu rival, mas na reta final do segundo turno tornou-se o favorito, abrindo vantagem de 26 pontos sobre seu adversário na disputa. Pesquisa Ibope, divulgada neste sábado, garantia ao candidato pelo PSB e neto do ex-governador do Estado, Miguel Arraes (falecido no ano passado), 63% dos votos válidos contra 37% do candidato pelo PFL. À frente de uma aliança que uniu 18 partidos no segundo turno - com legendas que defendem bandeiras diferentes, entre elas PT, PL, PC do B, PP, PTB, PDT e Prona -, movimentos sindicais e sociais, MST entre eles, Campos garante que sua eventual eleição não significa a volta do ´arraesismo´, embora defenda a visão do avô, que sempre teve ´o interesse do povo à frente´.Também não considera sua vitória uma revanche pela derrota de Arraes em 1998, quando Jarbas Vasconcelos (PMDB) foi eleito governador com apoio do PFL e PSDB. ´Mostra que em 98 tivemos uma derrota eleitoral, não uma derrota política´, afirmou ele em entrevista, na sexta-feira, já falando como governador, apesar de tentar não se antecipar ao resultado das urnas. Para Campos, a União por Pernambuco capitaneada por Jarbas - eleito senador - está derrotada e o PFL, isolado.Desde que lançou sua pré-candidatura, Campos só cresceu. No primeiro turno disputou também com o ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT), que depois se integrou à sua candidatura, assim como o presidente e candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva. Sem poder usar Lula na primeira rodada da disputa, sua campanha usou e abusou do carisma e do favoritismo do presidente em Pernambuco e no Nordeste que, no segundo turno, passou a ser mostrado sempre ao seu lado, como parceiro e padrinho, pedindo votos.Propostas e trajetóriaEntre as principais propostas de Campos, está a de unificar o Nordeste em torno de projetos para a região e acabar com a guerra fiscal entre os Estados. por meio de um pacto envolvendo a nova leva de governadores. Para ele, é importante para os governadores do Nordeste a discussão da reforma tributária e a retomada da Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste) com capacidade de investimento. Eduardo Campos, de 41 anos, é neto de Miguel Arraes, que foi governador de Pernambuco por três vezes e faleceu no ano passado. Seu avô era uma das figuras políticas mais importantes da região. Campos foi ministro de Ciência e Tecnologia no governo Lula e teve seu nome associado à máfia das ambulâncias por conta de supostas irregularidades nas licitações para compra de ônibus para o programa inclusão digital. Ele nega e nenhuma das acusações foi comprovada. Ele também foi secretário da Fazenda no último governo de Arraes, entre 1995 e 1998. Campos é economista e iniciou a militância política quando ainda estava na universidade. Em 1990, foi eleito deputado estadual e, em 1994, deputado federal, por três mandatos consecutivos. Na atual legislatura, se afastou da Câmara para assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia. Após a morte de seu avô, assumiu a presidência nacional do PSB. Ele é casado com Renata e tem quatro filhosColaborou Angela Lacerda(Matéria alterada às 20h37)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.