Eleição de Dilma é vitória da continuidade

A eleição de Dilma Rousseff (PT) expressa o desejo do eleitor pela continuidade do atual governo. Com economia e consumo em alta, a maioria dos eleitores votou para não mudar. É também uma vitória rara na política brasileira: a de um projeto, e não a de uma pessoa física.

Análise: José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2010 | 00h00

A nova presidente, ao contrário de seu antecessor, não é uma líder carismática com canal direto de comunicação com o eleitorado. Apontada pessoalmente por Luiz Inácio Lula da Silva para sucedê-lo, foi eleita exclusivamente pela transfusão de votos do atual presidente.

O PT entrou de carona no processo. Embora tenha sido importante para consolidar suas chances eleitorais no início da campanha, o partido não participou do processo decisório sobre a candidatura de Dilma. Foi uma decisão solitária do presidente.

As pesquisas Ibope mostram que Lula conseguiu transformar 4 em cada 5 fãs de seu governo em eleitores de Dilma. São aqueles que avaliam a atual administração como "ótima". Além disso, o presidente conseguiu transferir para sua candidata metade dos que acham seu governo "bom".

O cruzamento das pesquisas de véspera e dos resultados da urna indica que cerca de um terço desses votos veio de beneficiados pelos programas assistenciais do governo federal, principalmente o Bolsa-Família. Mas a maior parte de quem votou em Dilma não recebe nenhum tipo de bolsa ou auxílio.

Esses eleitores optaram por Dilma porque a economia, de modo geral, vai bem. É a expansão da renda, do emprego e, especialmente, do crédito que alavancou eleitoralmente a candidatura da petista em Estados onde o Bolsa-Família importa menos, como no Rio de Janeiro.

Isso foi fundamental também para evitar que José Serra (PSDB) abrisse uma vantagem muito grande em São Paulo e no Sul do País. O tucano conseguiu 1,8 milhão de votos a mais do que a rival no maior colégio eleitoral do País, que ele governou até abril. Em compensação, Dilma abriu 10 milhões de votos no Nordeste.

O desejo de continuidade que elegeu Dilma foi responsável também pela eleição da maioria dos governadores, de oposição e da situação, que tentaram voltar ao cargo. Da mesma maneira, a taxa de reeleição dos deputados federais foi muito alta: 70%.

No final, o consumo e a economia pesaram mais do que as questões morais e religiosas. Para ter governabilidade, Dilma precisará ser capaz de manter o bolso dos eleitores como estão: cheios.

É ESPECIALISTA EM PESQUISAS ELEITORAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.