Eleição terá líderes de escândalos

Personagens de todos os grandes escândalos políticos dos últimos 20 anos estão mais uma vez concorrendo a uma vaga de deputado, senador ou governador. Não houve lei, punição, investigação ou processo que afastasse essas pessoas da política. Ao contrário, elas são favoritas na eleição deste ano, a primeira disputada sob a Lei da Ficha Limpa, aprovada para barrar candidatos condenados pela Justiça.

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2010 | 00h00

O Estado levantou as principais crises ligadas à corrupção desde a eleição de Fernando Collor à Presidência em 1989. O próprio Collor, candidato a governador de Alagoas, abre essa lista.

Ganha a companhia de figuras carimbadas dos escândalos das duas últimas décadas, entre elas Jader Barbalho, Paulo Maluf, Orestes Quércia, Renan Calheiros, os "mensaleiros" de PT, PSDB e DEM, além de Anthony Garotinho, José Carlos Gratz e os governadores cassados Jackson Lago, Marcelo Miranda e Mão Santa. Juntos, somam pilhas de processos na Justiça e R$ 200 milhões de patrimônio declarado nesta campanha eleitoral.

Três deles já conheceram de perto as celas policiais: Jader, Maluf e Gratz. Outros fugiram de processos de cassação ou foram absolvidos pelos colegas. E todos têm uma folha corrida nos tribunais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.