Eleitor de Dilma mira consumo; o de Serra foca saúde

Segundo pesquisa Ibope, maioria da população vê candidata do PT como a melhor para beneficiar pobres e ampliar poder de compra

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2010 | 00h00

A maioria do eleitorado acredita que Dilma Rousseff (PT) é a candidata com mais atributos para beneficiar a população pobre e manter o crescimento do poder de compra dos brasileiros. José Serra (PSDB), por sua vez, tem a imagem mais relacionada à área da saúde pública.

Essas informações constam da última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. O instituto perguntou a 3.010 eleitores qual dos dois presidenciáveis teria a melhor atuação em relação a oito tópicos, como segurança, educação e meio ambiente.

Dilma, que na mesma pesquisa lidera nas intenções de voto por 51% a 40%, também está na frente em todos os tópicos avaliados, com exceção da saúde, item no qual há um empate com o tucano.

Para 55% dos eleitores, a candidata do PT é a que mais dará atenção à população pobre caso conquiste a Presidência. Outros 32% dizem o mesmo em relação a Serra.

A vantagem de Dilma nesse quesito diminui conforme aumenta a renda dos entrevistados - ou seja, os mais pobres são os que têm maiores expectativas de que a candidata os beneficie. Entre os que têm renda familiar de até um salário mínimo, 61% afirmam que a petista dará mais atenção aos pobres. Já entre os que ganham mais de cinco mínimos, esse índice é de apenas 47%.

Consumo. A candidata do PT também é apontada pela maioria dos entrevistados (51%) como a mais preparada para "manter a economia forte e o crescimento do poder de compra da população".

Nesse caso, novamente a vantagem de Dilma é maior entre os mais pobres, com renda de até um salário mínimo (59% a 29%). Na faixa de renda acima de cinco mínimos, porém, é Serra o visto como mais preparado para gerir a economia (48% a 40%).

Um terceiro item em que Dilma obtém opinião favorável da maioria da população é relacionado à política externa, Para 51%, a candidata será a melhor para "manter o prestígio do Brasil no exterior".

Em relação à qualidade da educação e das escolas públicas. a petista é vista por 48% como a mais preparada para melhorar a a situação. Para 39%, Serra atuaria melhor nesse quesito.

Entre os mais pobres - onde há maior concentração de usuários de escolas públicas -, é maior a expectativa de que Dilma faça um trabalho melhor. Ela é vista como a mais preparada para aprimorar a educação por 58% dos que ganham até um salário mínimo e por 50% dos que recebem até dois mínimos.

Violência. Serra fez da segurança pública uma de suas principais bandeiras de campanha. O tucano acusa o governo federal de não combater o contrabando de armas e drogas e costuma destacar, em debates e atos de campanha, a queda de homicídios em São Paulo nas gestões do PSDB no governo do Estado.

É Dilma, porém, quem tem mais atributos para melhorar a segurança e combater a violência, segundo 47% dos brasileiros - índice 11 pontos porcentuais superior ao obtido pelo candidato tucano.

Dilma - cuja sucessora na Casa Civil do governo Lula, Erenice Guerra, está sob investigação por suposto envolvimento em esquema de tráfico de influência - também é vista como mais preparada para combater a corrupção no País (46% a 36%). Serra só lidera nesse quesito entre os mais escolarizados (45% a 38%) e os que têm renda acima de cinco salários mínimos (50% a 33%).

No tópico preservação do meio ambiente - agenda que os dois candidatos se dispuseram a abraçar, na tentativa de conquistar os simpatizantes de Marina Silva (PV), Dilma tem vantagem de 47% a 36%,

No item saúde, Serra e Dilma empatam em 44%. Mas o tucano deve parte do resultado aos eleitores com renda maior, muitos dos quais não se utilizam dos serviços públicos de saúde. Entre os que ganham mais de cinco salários mínimos, Serra é visto como o melhor gestor de saúde por 59% a 30%. Entre os mais pobres, com renda de até um mínimo, o resultado é inverso: Dilma lidera por 53% a 37%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.