Eleitor deve acabar com faz-de-conta, diz presidente do TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marco Aurélio Mello, disse nesta segunda-feira, 14, que caberá aos eleitores agir contra os políticos acusados de corrupção que em outubro tentarão a reeleição ou novos cargos públicos. "No dia 1º de outubro, quem tem de agir e abandonar o faz-de-conta é o eleitor", afirmou o ministro.Marco Aurélio informou que eventuais contestações de candidaturas de políticos suspeitos de corrupção serão analisadas caso a caso pela Justiça Eleitoral.Nesta segunda, antes da veiculação do horário eleitoral gratuito, o presidente do TSE fez um pronunciamento em cadeia nacional conclamando os eleitores a votarem de forma consciente e a se preocuparem com as conseqüências do voto que, segundo ele, são duradouras."É hora de prestar atenção no que dizem (os candidatos) e como se comportam, no que fizeram no passado e, principalmente, de saber se essas pessoas são de fato pessoas corretas e cumpridoras dos deveres", alertou Marco Aurélio. "Quem não obedece à lei não merece respeito e muito menos o seu voto", acrescentou.Ele explicou que a escolha do presidente, dos governadores e dos parlamentares refletirá na vida da sociedade. "Isso refletirá diretamente no nosso dia-a-dia: no preço dos alimentos, na qualidade do ensino, nos investimentos na área da saúde, da habitação, dos transportes, da segurança, na taxa de juros, no valor dos impostos, em tudo!", constatou.Marco Aurélio afirmou que os políticos escolhidos em outubro decidirão sobre quase tudo que afeta na vida cotidiana das pessoas. "Você será o patrão, o chefe. Você selecionará, entre tantos candidatos, aqueles que considerar os mais dignos, os mais bem preparados para conduzir a Nação nos próximos anos", disse. "Lembre-se, caro eleitor: nenhum deles será nomeado e sim eleito, escolhido diretamente pelo voto de cada um dos quase 126 milhões de eleitores do País", alertou.O presidente do TSE afirmou que os eleitores têm de prestar muita atenção no momento atual. "Observe a situação de hoje a exigir de todos nós muita responsabilidade. Sim, devemos exercer a cidadania com os olhos voltados à preocupação com o bem-estar geral, com o patrimônio público. O poder é do povo, que o transfere a homens cujo único interesse, nessa caminhada, deve ser o de bem servir", disse.Marco Aurélio afirmou que os eleitores devem aproveitar a propaganda eleitoral para conhecer os políticos. "É hora de nos prepararmos para a verdadeira revolução, que é a revolução pelo voto", disse. Ele pediu aos eleitores que não se omitam e nem desanimem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.