WILTON JUNIOR / ESTADAO
WILTON JUNIOR / ESTADAO

‘Eles têm direito a uma farda por ano’, diz mãe de PM no Espírito Santo

Sem reajuste nos salários há quase quatro anos, policiais não conseguem pagar suas contas e acabam fazendo 'bicos'

Márcio Dolzan, Enviado especial

08 Fevereiro 2017 | 03h00

VITÓRIA - A crise na segurança pública que levou o caos às ruas do Espírito Santo reflete a situação de penúria vivida por policiais militares do Estado. Sem reajuste nos salários há quase quatro anos, os PMs não conseguem pagar suas contas e acabam fazendo “bicos” como seguranças particulares para complementar a renda, o que é proibido.

Um PM relatou ao Estado as dificuldades que enfrenta ao longo do mês. Pai de duas meninas, uma de 3 e outra de apenas 1 ano, ele afirma que o salário líquido de menos de R$ 2.300 é insuficiente. Gasta metade do valor com aluguel, luz e água. Há ainda as compras da casa, principalmente com alimentação. “Complemento fazendo serviço de segurança particular, para pessoas ou em festas. Às vezes ganho R$ 100, outras R$ 200. Tem semanas que não rola nada.” 

A mulher dele cuida das filhas, mas também tem uma empresa que realiza festas infantis. “O problema é que o trabalho também é incerto”, relatou. Seu maior medo é com a saúde do marido. “Graças a Deus ele está bem, mas tem muitos casos de colegas que entraram em depressão. Eu me preocupo.”

A mãe de um policial que preferiu não se identificar reclamou de outros gastos a que os PMs são submetidos. “Eles têm direito a uma farda por ano. Se quiserem outra, tem de comprar. Se estraga o coturno, tem de comprar. Se quiser tocar na banda da PM, tem de comprar a farda. É uma vergonha”, reclamou. 

Mais conteúdo sobre:
VITÓRIAEspírito Santo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.