Eletrobrás assumirá correção sobre financiamento de Itaipu

A Eletrobrás vai assumir a partir deste ano o pagamento de cerca de US$ 8 milhões anuais a título de correção monetária sobre financiamento feito pelo Paraguai para a construção de Itaipu. O Brasil já é responsável pelo pagamento de 94% do montante que é pago a título de correção monetária, uma vez que o sistema elétrico brasileiro utiliza 94% da energia produzida pela hidrelétrica. A decisão foi tomada em janeiro durante a reunião de cúpula do Mercosul, mas só foi oficializada nesta terça-feira por meio Medida Provisória. Neste ano, os recursos para pagar também a parte do Paraguai virão do Tesouro Nacional, mas, a partir de 2008, eles serão rateados entre os consumidores de energia que são abastecidos pela hidrelétrica binacional. O presidente de Itaipu, Jorge Samek, disse que o impacto para o consumidor será bastante diluído, já que a maior parte dessa correção monetária já é paga pelos brasileiros e porque a energia produzida por Itaipu é utilizada por 19 distribuidoras. "Não vai ter repercussão praticamente nenhuma do ponto de vista do consumidor. A Eletrobrás vai diluir no seu preço", afirmou Samek. Em nota, a Eletrobrás afirmou que "não haverá alteração no custo da energia para os consumidores brasileiros".O governo brasileiro, segundo fontes do setor, cedeu às pressões do governo paraguaio, já que as informações iniciais eram de que a Eletrobrás não queria alterar os termos da dívida da usina. "Não tem razão de nós estarmos sendo permanentemente criticados pelo governo paraguaio e pela imprensa paraguaia como se nós estivéssemos querendo sufocar o Paraguai", disse Samek.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.