Eletronuclear descarta fechamento de usinas de Angra

Segundo estatal, eventual interdição na Rio-Santos não afeta plano de fuga em caso de acidente nuclear

estadao.com.br,

03 Janeiro 2010 | 21h51

A Eletronuclear, estatal que administra as usinas nucleares Angra 1 e 2, descartou neste domingo, 3, o desligamentos dos geradores, como havia pedido no sábado, 2, o prefeito da cidade, Tuca Jordão, por conta do suposto perigo representado pela obstrução da principal rota de fuga em caso de acidente nuclear.

 

Veja Também

linkNúmero de mortos em Angra dos Reis chega a 46

 

Um trecho da Rodovia Rio-Santos - principal via da região - havia sido fechado no dia 1º por conta dos deslizamentos que atingiram vários pontos do município, deixando 46 mortos.

 

O prefeito se reuniu na tarde deste domingo com o assessor da presidência da Eletronuclear Leonam Guimarães. "Fomos mostrar ao prefeito que não há razão para desligar as usinas", contou Guimarães.

 

Segundo ele, o plano de emergência da central nuclear de Angra dos Reis contempla um raio de 15 quilômetros e não chega ao trecho interditado da Rio-Santos - que foi liberado para o tráfego na manhã deste domingo, mas que pode voltar a ser interditado no caso de novas chuvas. "A interdição não afeta a execução do plano", completou Guimarães.

 

Com informações da Sucursal do Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.