Elias "Maluco" é o traficante mais procurado do Rio

Foragido há dois anos, Elias Pereira daSilva, conhecido como Elias Maluco, é acusado de comandar umexército de mais de 300 homens armados nas 13 favelas doComplexo do Alemão e na vizinha Vila Cruzeiro, zona norte do Rio onde o repórter da TV Globo, Tim Lopes, foi visto pela últimavez, no dia 2 de maio. É o principal líder da facção criminosa Comando Vermelho(CV) em liberdade, apontado pela polícia como um dos criminososmais violentos do Estado. Cerca de 250 mil pessoas vivem sob asregras impostas pelo traficante nas comunidades de Olaria e daPenha, na zona norte da cidade. Há dois mandados de prisão expedidos contra elepelo 1.º Tribunal do Júri por homicídios e um pela 34.ª VaraCriminal, por tráfico de drogas. Elias Maluco já foi preso umavez pela polícia, em 1996. Saiu de Bangu 3 em 2000, em liberdadecondicional. Dez dias depois de deixar a cadeia, a Justiçadecretou sua prisão por homicídio. Nunca mais foi encontrado. A Secretaria da Segurança do RJ investiga a participaçãodo traficante na suposta aliança do CV com a facção criminosaPrimeiro Comando da Capital (PCC), que atua em São Paulo. Ainspetora Marina Maggessi, da Delegacia de Repressão aEntorpecentes (DRE), acredita que Elias Maluco não só comanda oComplexo do Alemão, como tem gerência nas outras áreas dominadaspelo CV. "Ele é extremamente violento e desafia a polícia detodas as maneiras", afirma a inspetora. Seria responsável peladistribuição de metade da droga vendida no Rio. É atribuída a Elias Maluco a tentativa de invasão aoFórum de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, em janeiro. Natentativa de libertar três criminosos que estavam depondo, umgrupo do traficantes trocou tiros com policiais na porta doFórum. Na ação, foram usadas três Blazer com emblemas daPolícia Federal. Desde então, o traficante tem incentivado aataques a policiais, segundo a inspetora da DRE. De acordo com apolícia, o bando de Elias Maluco costuma promover "bondes" comfreqüência. A quadrilha tem o hábito de torturar, matar e depoisqueimar membros de morros rivais. Em fevereiro, a polícialocalizou uma espécie de crematório no alto do Morro da Fé, naPenha, área de Elias Maluco. Lá, foram encontrados aros de pneus(onde os corpos são colocados antes de serem queimados), grandequantidade de cinzas e pedaços de ossos e dedos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.