Eloá tem morte cerebral confirmada

Às 23h30, após realização de exames, médicos confirmam diagnóstico; família decidirá sobre doação de órgãos

Valéria França e Vitor Hugo Brandalise, O Estadao de S.Paulo

19 Outubro 2008 | 01h00

No início da madrugada de hoje, o Centro Hospitalar Municipal de Santo André comunicou que Eloá, de 15 anos, teve morte cerebral constatada às 23h30. A jovem foi submetida a vários exames para que se pudesse confirmar a ausência de atividade no cérebro. "Por meio de doppler transcraniano, foi confirmada falta de fluxo sanguíneo nas artérias cerebrais", explicou Homero Duarte, secretário de Saúde de Santo André. Às 17 horas de ontem, a jovem já havia recebido o diagnóstico de coma irreversível. Pouco antes, às 15h40, equipe do Instituto Dante Pazzanese, da capital, já havia chegado ao hospital para avaliar a possibilidade de doação de órgãos. Os pais de Eloá terão de autorizar o procedimento. Caso contrário, os aparelhos que a mantém respirando continuarão ligados. Segundo Duarte, quase todos os órgãos poderiam ser doados e a captação poderia ocorrer na madrugada. Eloá ficou 100 horas como refém do ex-namorado Lindembergue Alves, de 22 anos. Ela foi baleada duas vezes, uma delas na cabeça - e o autor do disparo pode ter sido Lindembergue. Ele tinha invadido a casa da garota na segunda-feira, às 13h30, na tentativa de reatar o namoro. Dois dos colegas também feitos reféns foram liberados no mesmo dia e, 33 horas depois, negociou-se a saída de Nayara, amiga de Eloá. Na quinta, a menina voltou ao cativeiro com aval da PM. Às 18h08 de anteontem, a polícia invadiu o bloco residencial, alegando ter ouvido um tiro. As meninas haviam sido baleadas. Alves está preso no CDP de Pinheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.