Em 1 ano, mais 678 vagas de Zona Azul

Prefeitura busca fluidez, mas cria 49,3% mais vagas do que elimina

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

A Secretaria Municipal dos Transportes (SMT) vem apostando na extinção de vagas de estacionamento para criar mais faixas de rolagem, melhorar o fluxo e assim tentar combater os congestionamentos. Foram extintas 1.374 em um ano. No entanto, o número de vagas criadas desde julho de 2008, data da primeira mudança nas regras de estacionamento, nos Jardins, foi de 2.052 - 49,3% a mais que o total de extintas.A cidade de São Paulo tem atualmente 34.271 vagas de estacionamento de Zona Azul. A maior parte é destinada para os automóveis (33.107), mas há também para carga e descarga (790) e vagas especiais para portadores de deficiência física ou com mobilidade reduzida (374).Em julho de 2008, havia na cidade um total de 32.678 vagas. Na ocasião, foi lançado um pacote para dar mais fluidez ao trânsito da região dos Jardins, com a proibição de estacionamento em alguns trechos de importantes vias, como as Ruas Augusta e Haddock Lobo e as Alamedas Jaú e Lorena. Com isso foram extintas 636 vagas. A SMT criou pacotes semelhantes para Vila Olímpia, Moema, Pinheiros, Itaim-Bibi e região da Rua 25 de Março, no centro da cidade. A Prefeitura atribui o saldo de 678 vagas criadas à necessidade de adaptar a demanda por estacionamento. No entanto, além de ultrapassar a quantidade de vagas extintas, alguns dos novos espaços de Zona Azul estão em regiões que não foram atingidas pelos pacotes anteriores, como o Tatuapé, na zona leste, que ganhou 52 vagas no fim do ano passado, e Perdizes, na zona oeste, que passou a ter 226 para o período das 7 às 13 horas.Além disso, foi aumentado o período de Zona Azul na Praça Charles Muller, que passou a vigorar também aos sábados e domingos, das 9 às 18 horas - anteriormente, só funcionava de segunda a sexta nesse horário e aos sábados pela manhã. Fontes ouvidas pela reportagem afirmam que muitas dessas vagas criadas têm o objetivo de impedir uma queda na arrecadação, uma vez que as vendas dos talões são responsáveis por, em média, R$ 40 milhões anuais. A partir de 1º de julho, a unidade do cartão vai passar de R$ 1,8 para R$ 3, o primeiro reajuste desde maio de 2001. A SMT nega que o número maior de vagas criadas tenha o objetivo de aumentar a arrecadação. A pasta informou que essa quantidade é variável e novos estudos estão sendo feitos para a implementação e extinção de vagas em várias regiões da cidade. "O sistema de Zona Azul acompanha a dinâmica e o crescimento do Município, atendendo às necessidades de disciplina e regras de estacionamento e democratização do espaço viário. Portanto, a quantidade final de vagas varia mensalmente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.