Em 12 dias, Capitania dos Portos do Rio apreendeu 82 embarcações irregulares

Operação Verão 2012, realizada entre os dias 19 e 30 de janeiro, realizou 6.095 fiscalizações

Agência Brasil,

27 Fevereiro 2012 | 20h07

SÃO PAULO - Balanço apresentado nesta segunda-feira, 27, pela Capitania dos Portos do Rio de Janeiro mostra que na Operação Verão 2012, realizada de 19 a 30 de janeiro, foram feitas 1.040 notificações e 82 apreensões de embarcações, de um total de 6.095 fiscalizadas.

Na operação, os inspetores navais orientaram os condutores sobre as regras de segurança no mar, como a importância de portar a habilitação ao navegar, o uso de coletes salva-vidas, a manutenção do extintor de incêndio, além de darem dicas sobre a distância a ser mantida dos banhistas nas praias, a lotação da embarcação e o respeito ao ambiente marinho (não descartando lixo no mar).

A Capitania dos Portos lembrou que as regras constam do documento Normas da Autoridade Marítima (Normam 3), segundo o qual há um distância mínima a ser mantida quando a embarcação se aproxima das regiões de praia, no litoral, ou quando ela navega em lagos ou rios.

A distância permitida para embarcações a motor é 200 metros da linha de arrebentação, com exceção dos veículos que estiverem procedendo o embarque ou desembarque de pessoas ou material. O limite tem como base o comportamento do banhista, que não deve nadar depois da arrebentação.

De acordo com o comandante da Capitania do Portos do Rio de Janeiro, Walter Bombarda, em caso de acidente, o banhista tem o direito de procurar por qualquer autoridade e exigir seus direitos. "O banhista pode recorrer a uma autoridade pública, seja municipal, estadual ou à própria Marinha".

O órgão lembrou que os pilotos de barcos a motor podem ser multados e ter a carteira de habilitação cassada, se colocarem em risco a vida de banhistas. A população pode denunciar qualquer irregularidade por meio de fotografia ou vídeo, onde apareça o número de registro ou nome da embarcação, pelo telefone (021) 2233-8412.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.