Em 2009, 'Estado' revelou que entidade fraudou convênios

Aliada do governo, a UNE fraudou convênios, forjou orçamentos e não prestou contas de recursos públicos recebidos, como revelou reportagem do Estado em novembro de 2009. A entidade apresentou até documentos de empresa de segurança fantasma para conseguir aprovar patrocínio para encontro nacional em Brasília.

, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2010 | 00h00

A reportagem informou que dados do Ministério da Cultura revelaram que pelo menos nove convênios celebrados com a UNE, totalizando R$ 2,9 milhões estavam em situação irregular. Na época, o presidente da UNE, Augusto Chagas, negou má-fé.

"A UNE também tem seus problemas administrativos. É uma organização construída por jovens, tem uma série de problemas, limites na sua condição administrativa", disse. E prometeu devolver o dinheiro, caso as irregularidades fossem comprovadas.

Um dos convênios era para produzir 10 mil livros e um documentário sobre a história estudantil secundarista. A UNE teria 60 dias para prestar contas ou restituir em 30 dias as verbas não usadas. Não fez uma coisa nem outra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.