Em 3 das 4 peças da propaganda tucana, Alckmin é a única estrela

Na outra, os astros são o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o presidente do PSDB paulista, Pedro Tobias

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2011 | 03h06

São quatro as peças publicitárias do PSDB de São Paulo que causaram indignação no senador Aloysio Nunes Ferreira. Em três delas, aparece apenas o governador Geraldo Alckmin, que comenta os projetos sociais, educacionais, de geração de emprego e de transportes do governo do Estado. Em outra, os astros são o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o presidente do PSDB paulista, deputado Pedro Tobias.

Na propaganda que não tem Alckmin, o ex-presidente Fernando Henrique faz uma exaltação aos tucanos: "O PSDB defende a ética na vida pública. E dá o exemplo. Aqui em São Paulo, nos governos do Covas, do Serra e do Alckmin, competentes, limpos, sem escândalos. Assim é o PSDB".

Em seguida, aparece o deputado estadual Pedro Tobias: "Com o presidente Fernando Henrique, o País começou a crescer. Aqui temos uma história de grandes conquistas. Agora, com Geraldo e o PSDB, vamos fazer mais e melhor".

Destaque. Nas outras três peças publicitárias, a grande estrela é Geraldo Alckmin. Numa delas, que trata dos programas sociais, o governador paulista enaltece os contatos com a presidente Dilma Rousseff: "Em parceria com o governo federal, vamos ampliar o Renda Cidadã e tirar da miséria 1 milhão de pessoas em nosso Estado. O desenvolvimento de São Paulo é para todos. Ninguém vai ser deixado para trás", diz.

Outra peça trata da ampliação do metrô. Nela, Alckmin comenta: "Trens e metrô juntos, interligados. Esse é o futuro. Investimento social que melhora a vida das pessoas. Até 2014, serão 26 novas estações e mais 32 quilômetros de metrô e monotrilho", promete.

A quarta propaganda tucana fala da educação e do trabalho. Novamente, é Alckmin quem aparece: "Vamos continuar investindo no ensino que vira emprego. No ano que vem serão mais 15 Etecs e quatro novas Fatecs, em Itaquera, aqui na capital, em Diadema, Jacareí e Adamantina". / J.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.