Em 90 dias, 87 apreensões

Apenas no primeiro trimestre deste ano, os fiscais do Departamento de Transporte Público (DPT) da Prefeitura de São Paulo apreenderam 87 carros particulares que atuavam como táxis no Aeroporto de Congonhas. Os donos desses veículos são multados no valor de R$ 174,40. Além disso, os falsos motoristas também são obrigados a pagar uma taxa de remoção de R$353,85, acrescida da estada do veículo no pátio municipal, que sai por um valor de R$ 27,70 a cada 12 horas."Para os particulares, vale a pena correr esse risco e pagar esses valores, porque o lucro em Congonhas cobre tudo", disse um dos coordenadores do ponto, Walter Lopes. "Por isso, todos voltam." Lopes tem uma lista com o número da placa e o nome de todos os motoristas particulares que atuam no aeroporto. São cerca de 80. A Prefeitura disse que não há uma estimativa de quantos clandestinos trabalham no Aeroporto de Congonhas. A equipe do DTP, formada por dez agentes, que se revezam das 6 às 23 horas, fiscalizou 3.726 táxis no aeroporto, de janeiro a março: 267 foram autuados, 166 intimados, 38 retidos e 8 apreendidos. As apreensões de táxis clandestinos chegaram a 28. Desde o início do ano, a Prefeitura fiscalizou cerca de 16 mil táxis na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.