Em acerto de contas, tráfico fuzila grávida

Bebê sobrevive e estado é grave; menina de 4 anos levou um tiro

Talita Figueiredo, O Estadao de S.Paulo

28 Outubro 2008 | 00h00

Uma mulher grávida de 9 meses morreu e sua filha Júlia, de 4 anos, foi baleada no rosto quando traficantes invadiram a casa da família na noite de anteontem, em Bangu, zona oeste do Rio. Eles atiraram na tentativa de matar o marido de Bianca Freitas Loyola, de 22 anos, Juan Pablo dos Santos. Os médicos do Hospital Albert Schweitzer conseguiram fazer o parto e salvar o bebê, uma menina, que nasceu com grave insuficiência respiratória. Ela está internada na UTI neonatal e respira com a ajuda de aparelhos. Júlia, atingida por um tiro de fuzil, foi operada e também está internada em estado grave. Segundo o delegado David Rodrigues, da 34ª Delegacia de Polícia, cinco homens em dois carros pretos estacionaram à Rua Boiobi e entraram por volta das 22 horas de domingo na casa de Bianca e Santos, que seria conhecido como Cachorrão. "Segundo testemunhas que viram a ação e fugiram para dentro de suas casas, eles já chegaram lá atirando e chutando a porta. Bianca estava com a filha no colo, assistindo à televisão, e foi atingida por cinco tiros. A menina foi baleada no rosto e o pai conseguiu fugir, pulando os muros dos vizinhos. Temos a suspeita de que ele também foi baleado e estamos procurando por ele em hospitais e necrotérios", contou. O delegado informou que a principal suspeita é a de que traficantes da favela Vila Vintém, onde Santos morou até três anos atrás, procuravam por ele por alguma "dívida" com o tráfico. Santos já foi preso por roubo em 2000, cumpriu pena e foi libertado pela Justiça. "Sabemos que ele está ligado ao tráfico de alguma forma, mas ainda não identificamos como se dá essa ligação. Há alguns meses ele trabalhava como trocador em uma linha de transporte alternativo, mas nossa linha de investigação principal é a da ligação com o tráfico", revelou o delegado. Não há ordem de prisão contra Santos e nenhuma arma foi encontrada na casa. A filha mais velha de Bianca foi transferida para o Hospital Souza Aguiar, no centro do Rio, e até a noite de ontem estava internada em estado grave. O bebê, que nasceu com 3,4 quilos, teve asfixia grave e foi transferido à tarde para a UTI neonatal do Hospital Rocha Faria e seu quadro é grave. Segundo as Assessorias de Imprensa do governo Estadual e da Secretaria Municipal de Saúde, até o fim da tarde de ontem nenhum parente das crianças havia aparecido nos hospitais, nem no Instituto Médico-Legal para liberar o corpo de Bianca. Como ninguém havia feito isso, não havia previsão de enterro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.