Em busca dos votos do xará

Candidato ao Senado, Ciro Moura aparece na penumbra e não se apresenta aos eleitores na TV

Lucas de Abreu Maia, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2010 | 00h00

Sem número. 'Não tenho nada a esconder', diz Moura                  

 

 

 

 

Durante os 30 segundos de sua propaganda eleitoral, seu rosto aparece na penumbra. Não se apresenta. Uma voz, em off, pede votos para Ciro. O candidato ao Senado Ciro Moura (PTC), porém, nega - com veemência - que esteja ocultando sua imagem a fim de se beneficiar da popularidade de seu xará mais conhecido, Ciro Gomes, do PSB (que não se candidatou nestas eleições). "Só se esconde quem tem vergonha. Não tenho absolutamente nada a esconder", rebate.

Vice-presidente nacional do PTC, Moura afirma que "algumas pessoas" até o incentivaram a evitar aparições em público, mas ele nega ter aceitado a sugestão: "A indignidade não tem preço", diz.

O candidato - que nas eleições de 2006 para a Prefeitura de São Paulo recebeu apenas 0,06% dos votos válidos - nega que seu bom desempenho nas pesquisas de 2010 tenha a ver com uma possível confusão do eleitorado.

Na última pesquisa Datafolha, ele obteve 15% das intenções de voto. "Você só está olhando para as últimas eleições. Eu tenho 40 anos de vida pública", diz. "Temos que parar de menosprezar o povo de São Paulo." Segundo ele, atribuir suas intenções de voto ao prenome em comum com o político cearense é "achismo". "Eu não acho nada na minha vida. Eu constato fatos."

Em sua propaganda eleitoral exibida anteontem na TV, Moura foi o terceiro a aparecer. Não disse nem seu nome, nem seu número. "Vou ser muito sincero: se eu não estiver falando meu nome e meu número, alguém mudou a edição", afirma.

"Homenagem". Para Moura, associá-lo a Ciro Gomes é uma tentativa de "desqualificar" sua candidatura: "Vocês nem me conhecem, não sabem nada da minha vida."

O candidato acrescenta: "Não sei nem se o pai dele (Ciro Gomes) deu o nome em minha homenagem."

No horário reservado para a propaganda dos aspirantes a deputado federal, os candidatos também falam apenas "Ciro para senador".

Moura informa que ainda não deu início à campanha de rua, mas afirma que os compromissos públicos se intensificarão a partir da próxima semana. O Estado pediu material de campanha à assessoria de Moura, mas foi informado de que não haveria tempo para enviar os santinhos até o fechamento da edição.D

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.