Em carta aberta, Berzoini diz que oposição foi tomada por "uma onda de histeria"

O presidente nacional do PT e ex-chefe da campanha à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deputado federal Ricardo Berzoini, divulgou uma carta à militância petista, na última quarta-feira, dizendo que "uma onda de histeria e descontrole toma conta da oposição tucano-pefelista e seus aliados".Divulgada em seu site, a carta também diz que Berzoini deixou a campanha do presidente com a "consciência tranqüila e com a plena convicção de que todas as denúncias devam ser apuradas". Ele ainda acusou os adversários do PT de oportunismo e de quererem "contaminar a voz das urnas com suas mentiras e calúnias".Berzoini foi afastado na quarta-feira da coordenação da campanha à reeleição pelo escândalo do dossiê que supostamente ligaria os tucanos José Serra e Geraldo Alckmin à máfia dos sanguessugas. Ele admitiu que tinha conhecimento de uma reunião entre Oswaldo Bargas, responsável pelo setor de Trabalho e Emprego do programa de governo de Lula e ex-secretário do Ministério do Trabalho, e um repórter da revista Época. Berzoini foi substituído pelo assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.Leia a íntegra da carta:"Comunico à militância petista que, reunido hoje (20/9) com o presidente Lula, analisando a conjuntura que se instalou à partir dos fatos ocorridos na última sexta-feira (15/9), coloquei à disposição minha saída da coordenação geral da campanha ´Força do Povo´ sendo substituído pelo companheiro e professor Marco Aurélio Garcia. Tomei esta decisão com a consciência tranqüila e com a plena convicção de que todas as denúncias devam ser apuradas.Eu, pessoalmente, e o Partido dos Trabalhadores como instituição, defendemos uma apuração rigorosa dos fatos relacionados ao dossiê que vincula os tucanos José Serra, Barjas Negri e Geraldo Alckmin à máfia das ambulâncias. Condenamos com veemência qualquer ilegalidade para obtenção de informações. Refutamos, também, toda e qualquer tentativa de incriminar o partido e o presidente da República. As incursões de nossos adversários nesse terreno revelam açodamento e oportunismo: querem contaminar a voz das urnas com suas mentiras e calúnias.Uma onda de histeria e descontrole toma conta da oposição tucano-pefelista e seus aliados nos meios de comunicação. Revelam desconforto e ensaiam indignação diante das supostas tratativas ilegais para divulgar eventuais vínculos de membros do PSDB com a ?Máfia das Ambulâncias?. Estranhamente, repudiam qualquer investigação sobre o mérito das denúncias. Por fim, reafirmo meu compromisso com a democracia, minha confiança nas instituições do país e a convocação para que a militância do PT, do PCdoB, do PRB e todos os ativistas da coligação ?A Força do Povo? intensifiquem os esforços para a reeleição do presidente Lula. Mostremos nas ruas, com nossos argumentos, panfletos e bandeiras, que o povo brasileiro está decidido a dar continuidade à construção de uma pátria justa, igual e soberana."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.