Em Congonhas, familiares fazem silêncio um mês após acidente

Representantes de mais de 100famílias de vítimas do acidente com o vôo 3054 da TAM rezarame, de mãos dadas, fizeram um minuto de silêncio perto do balcãoda companhia no Aeroporto de Congonhas nesta sexta-feira, ummês após o pior acidente aéreo do país, que matou 199 pessoas. Vestindo camisetas brancas estampadas com nomes dasvítimas, algumas com foto, e carregando faixas e rosas brancas,os manifestantes caminharam do Aeroporto de Congonhas até olocal do acidente, onde chegaram às 18h48, mesmo horário datragédia. O trânsito foi paralisado por alguns minutos namovimentada avenida Washington Luís, zona sul de São Paulo. Os parentes das vítimas jogaram as flores no terreno ondeficava o prédio da TAM Express, contra o qual se chocou oAirbus. Prestando solidariedade estavam alguns funcionários quetrabalhavam no edifício e conseguiram escapar a tempo. "Foi muito emocionante, um momento só nosso", disse RobertoGomes, irmão do empresário Mario Lopes Corrêa Gomes, de 49anos, morto no acidente. "Foi muito bonito". Mario havia dito à família, no domingo anterior à tragédia,que, para fugir da crise aérea, se mudaria para São Paulo. Oavião colidiu com o prédio da TAM Express na terça-feira. Roberto disse por telefone à Reuters que os familiaresdecidiram montar uma associação de famílias das vítimas, masnão especificou o nome da entidade nem a data de sua criação. (Por Sérgio Spagnuolo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.