Associação Mineira de Municípios
Associação Mineira de Municípios

Em crise, prefeituras de 340 cidades podem adiar início das aulas em Minas Gerais

Associação de Municípios orientou prefeitos para que iniciem calendário letivo após o carnaval, em 6 de março. Governador atribui atraso nos repasses à 'calamidade financeira'

Rene Moreira, Especial para o Estado

22 de janeiro de 2019 | 18h34

FRANCA - A crise pode atrasar o retorno às aulas nas escolas públicas de Minas Gerais. A Associação Mineira de Municípios orientou as prefeituras para que em vez de fevereiro, como previsto, retomem o ano letivo somente após o carnaval, ou seja, a partir de 6 de março. O motivo são os atrasos nos repasses por parte do Estado aos municípios, cujo valor total já soma mais de R$ 12 bilhões.

Em assembleia na segunda-feira, 21, foi aprovada a recomendação de prorrogar as férias escolares.  O encontro reuniu 340 prefeitos, mas a associação acredita que a adesão será ainda maior, pois outras prefeituras que não contaram com representantes também pretendem aderir ao movimento.

Após a assembleia dos prefeitos, o governador Romeu Zema (Novo) se reuniu com superintendentes de ensino do Estado e anunciou o repasse de R$ 48,7 milhões em fevereiro para despesas com transporte escolar, conectividade, manutenção e custeio das escolas.

Questionada sobre a medida, a Associação dos Municípios  informou que isso não muda a decisão de adiar a volta às aulas em Minas Gerais. "Isso foi direto com as regionais de ensino, não influencia, ele tentou inverter o foco", falou um assessor da entidade. Segundo ele, está mantida a recomendação de retorno do ano letivo somente após o carnaval.

Nesta semana os prefeitos aprovaram também outras medidas devido à falta de repasses do governo, entre elas, a de apresentar pedido de impeachment contra Romeu Zema assim que a Assembleia Legislativa retomar os trabalhos, no início de fevereiro.

'Calamidade de Minas é a maior do País', diz governador

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Zema para ter uma posição sobre o retorno às aulas em Minas Gerais e o atraso nos repasses, mas não obteve retorno.

Pela internet, o governador declarou que "a calamidade financeira de Minas é a maior do país, com previsão de déficit para 2019 de R$ 30 bilhões". E reclamou do alto gasto com o funcionalismo. "Somente a folha de pagamento no nosso estado compromete 79,18% dos recursos", publicou nas redes sociais.

Já o vice-governador Paulo Brant (Novo), em entrevista à rádio CBN nesta terça-feira, 22, foi mais direto e falou que o governo terá de decidir entre pagar os servidores ou fazer o repasse aos municípios. Ele deu razão ao protesto dos prefeitos, mas alegou que o dinheiro arrecadado pelo Estado não dá para pagar o servidor e as prefeituras. "É um ou outro. Ou uma parte de um e uma parte de outro. Nós ficamos até envergonhados, mas não há alternativa. Não conseguimos aumentar a receita no curto prazo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.