Em depoimento, acusado de matar Eliza se cala, diz advogado

Orientação foi para que ex-policial Marcos Aparecido dos Santos recorresse ao direito de não falar

Fabiana Marchezi, da Central de Notícias

12 de julho de 2010 | 17h55

SÃO PAULO - O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, suspeito de estrangular a modelo Eliza Samudio até a morte, continua sendo interrogado pela polícia no fim da tarde desta segunda-feira, 12, no Departamento de Investigações de Belo Horizonte, em Minas.

 

Veja também:

linkGoleiro passa mal na cadeia em Minas

linkPrimos de Bruno vão fazer acareação

link'Será difícil falar que o pai matou a mãe'

linkFoco das buscas é área de grupo de extermínio

especialCronologia do caso

 

Bola foi orientado por seu advogado, Zanone Manoel de Oliveira Junior, a permanecer calado durante todo o depoimento. Mesmo assim, ele está na sala, a portas fechadas, desde o início da tarde, segundo a assessoria da Polícia Civil.

 

Mais três suspeitos de envolvimento - Elenilson Vitor da Silva, Wemerson Marques de Souza e Flávio Caetano de Araujo - devem ser interrogados nesta segunda. No entanto, sob orientação de seus advogados, também devem ficar em silêncio.

Tudo o que sabemos sobre:
caso Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.