Em depoimento, carona de motorista que matou filho de Cissa nega racha

Ontem, a Polícia Militar do Rio afastou 2 policiais que abordaram veículos envolvidos no atropelamento a menos de 200m do local do acidente; Rafael Mascarenhas foi cremado hoje

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2010 | 13h07

RIO - Após mais de três horas de depoimento, o estudante André, cujo sobrenome não foi revelado, de 19 anos, deixou a 15ª Delegacia de Polícia, no bairro da Gávea, zona Sul do Rio, sem dar declarações. Carona no Fiat Siena preto que atropelou e matou na madrugada desta segunda-feira, 19, o jovem Rafael Mascarenhas, de 19 anos, filho da atriz Ciça Guimarães e do músico Raul Mascarenhas, o jovem garantiu na polícia que não havia "racha".

 

Veja também

linkCissa Guimarães e o marido chegam para cremação do filho

linkNo Rio, PMs afastados por liberar 'rachadores'

 

A informação foi passada pelo advogado dele, Paulo Márcio Ennes Klein, segundo o qual André negou até mesmo que o carro trafegasse em alta velocidade. No entanto, o carona não soube dizer se o motorista Rafael de Souza Bussamra, de 25 anos, viu os skatistas na pista sentido Barra-Zonal Sul, quando eles, de carro entraram na pista Zona Sul-Barra.

 

O atropelamento ocorreu na pista Barra-Zona Sul, depois que o carro com os jovens fez um retorno irregular dentro do túnel. Na saída do túnel Zuzu Angel o filho da atriz praticava o esporte. No depoimento André disse que o acidente ocorreu "em uma fração de segundos", mas ele não observou a cena.

 

Segundo o advogado, "Ele (André) ouviu gritos, mas estava distraído em seu Ipod e não sabe precisar se foi o motorista quem gritou para os skatistas ou alguém do Honda Civic", o outro carro com jovens amigos dos dois.

 

Klein explicou que "os outros dois skatistas pararam de andar e permaneceram do lado direito da pista, já Rafael (a vítima) entrou na frente do carro andando de skate".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.