Em entrevista à TV Estadão, candidato vê processo ''normal''

Em entrevista ontem à TV Estadão, o candidato do PC do B ao Senado por São Paulo, Netinho de Paula, admitiu a existência de problemas na prestação de contas do Instituto Casa da Gente, mas classificou o assunto como "um processo normal", ao qual todas entidades do gênero estão sujeitas. "As ONGs começaram há muito pouco tempo a ter acesso ao governo federal para receber recursos", justificou.

, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Segundo o candidato, sua atuação à frente da entidade se encerrou em 2004. O contrato firmado com o Ministério dos Esportes, porém, foi assinado pelo próprio Netinho em fevereiro de 2005. "Desde 2004 não sou eu que respondo pela ONG. Tenho o maior carinho, um amor, porque foi a gente que fundou. Fomos um dos primeiros grupos musicais a fazer trabalho social no gueto, na comunidade. Ali é nossa Cohab, é onde a gente gosta." Ao ser questionado sobre a situação dos convênios, Netinho afirmou que a entidade está trabalhando para regularizar sua situação.

Assim como o Ministério da Cultura e a Secretaria da Igualdade Racial, Netinho atribuiu a não-prestação de contas a um assalto. "Roubaram documentos. Esses documentos serviriam para comprovar o que foi feito", disse.

Ele procurou defender a atuação da entidade. "A ONG presta um trabalho maravilhoso para Carapicuíba. Foi por isso que o governo federal resolveu, fazer as ações lá, com grandes projetos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.