Em Gabrovo, exposição e almoço familiar

Há apenas uma semana, o túmulo de Luben Roussev era o espelho do abandono da ala búlgara da família da presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2011 | 03h05

O mato tomava conta do túmulo, que nem sequer tinha uma lápide. A que existe é da mãe de Luben, enterrada no mesmo local. Sua família jamais passou para cuidar do local e apenas uma cruz de madeira indica seu nome. Mas um grupo de amigos, ao ver que nada era feito para limpar o túmulo antes da chegada de Dilma, meia-irmã de Luben, resolveu pelo menos retirar o mato de cima do local.

Sua própria morte está permeada de polêmica. Anna Petrova, irmã de Luben do segundo casamento de sua mãe, declarou em uma recente entrevista ao jornal búlgaro 24 Chase, que a conclusão da polícia foi de que Luben tentou se suicidar no dia em que morreu, em 2007.

Mas ele não conseguiu abrir a janela que daria a um balcão, e o esforço que fez para arrancar uma grade acabou provocando um ataque cardíaco. Agora, o encontro com a família está sendo aguardado como uma espécie de resgate da memória da família.

Em Gabrovo, onde nasceu o pai de Dilma, Petar, o prefeito Nikolay Sirakov promete parar a cidade para receber a visitante. O museu local está organizando uma exposição sobre a brasileira e planeja um encontro com cidadãos e familiares em um almoço popular./J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.