Marcos D'Paula/Agência Estado/AE
Marcos D'Paula/Agência Estado/AE

Em hotel, familiares reclamam de falta de informações

Parentes das vítimas dos voo AF 447 dizem que notícias chegam só pela imprensa e estão desinformados

02 de junho de 2009 | 11h24

Os familiares das vítimas do voo AF 447 da Air France, que desapareceu na madrugada da segunda-feira, 1º, enquanto sobrevoava o Oceano Atlântico em direção a Paris, continuam chegando no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, no Rio. Cerca de 20 famílias estão presentes no local, que serve de concentração para os parentes dos passageiros.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

lista Lista de brasileiros que estavam no voo

link Três aviões C-130 auxiliam nas buscas ao Airbus

link Voo 447 reportou pane antes de desaparecer dos radares

link Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

som Podcast: Coronel da FAB fala sobre o desaparecimento do avião da Air France

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

link Airbus pode ter sido atingido por raio durante tempestade

link Voo 447 pode ter tido problemas em zona intertropical

 

A Infraero encaminha todos os familiares que procuram informações para o hotel. Os familiares, entretanto, se queixam de que as notícias sobre as operações de resgate chegam apenas pela imprensa, e não pelos órgãos oficiais ou pela Air France. No subsolo, onde as famílias estão concentradas, uma televisão permanece ligada como um das poucas fontes de informações.

 

A mãe do dentista José Ronnel Amorim, de 35 anos, queixou-se da falta de informações. "É tudo muito estranho que isso venha a acontecer com uma aeronave possante. Até agora, não sabemos de nada.", disse ela.

 

Já o pai de Marcelo Parente, chefe de gabinete do prefeito Eduardo Paes, disse que ainda tem esperanças em um bom desfecho para o desaparecimento do avião. "Ainda tenho esperança, não vou criticar a companhia por falta de informações, porque não há o que ser informado até agora. Vamos aguardar", declarou Aldair Gomes.

 

Cerca de 50 pessoas estão no local e já receberam a notícia de que a Aeronáutica encontrou destroços de um avião na rota do voo AF 447. Os familiares devem participar de uma reunião com representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e, provavelmente, o ministro da Fazenda, Nelson Jobim, para atualizá-los sobre as informações das operações de buscas à aeronave desaparecida.

 

Na manhã da segunda-feira, representantes da Anac informaram que o salão nobre do Aeroporto Antônio Carlos Jobim (Galeão), seria preparado para receber os familiares das vítimas. Posteriormente, um ponto de atendimento também foi instalado no hotel Windsor. Atualmente, todos os parentes estão sendo encaminhados ao hotel.

 

De acordo com a Anac, na tarde da segunda-feira a Air France tinha dificuldades de entrar em contato com os familiares por conta da falta dos telefones dos passageiros nos cartões de embarque. Segundo a companhia aérea, passagens, hospedagem, assistência psicológica e "tudo o que for necessário" está sendo oferecido aos parentes.

 

Apoio

 

O padre Jan Kaleta, da Episcopal de Jacarepaguá, na zona Oeste do Rio, foi ao hotel Windsor para prestar solidariedade. Segundo ele, o objetivo de sua visita é conhecer a situação e dar apoio em nome da Igreja Católica. "Estou aqui para dar apoio a essas pessoas que estão sofrendo nesses momentos tão difíceis para todos nós, é uma palavra de esperança para todos. Num momento como este, cada apoio é importante", afirmou o padre.

 

(Com Alberto Komatsu, de O Estado de S. Paulo)

 

Atualizada às 14h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.