Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Em meio à crise, procura por caronas intermunicipais cresce 20%

Segundo levantamento feito pelo BlaBlaCar, procura por compartilhamento de viagens cresceu desde a última sexta-feira

Mariana Lima, O Estado de S. Paulo

27 Maio 2018 | 15h08

Na esteira da crise de abastecimento dos postos de gasolina de todo o País, pedidos de caronas e procura por informações sobre transporte público aumentaram durante o fim de semana. O movimento é reflexo da greve dos caminhoneiros em todo o Brasil, que acontece há sete dias nas principais estradas do País.

Segundo levantamento feito pela plataforma de caronas de longa distâncias, BlaBlaCar, o número de solicitações de viagens compartilhadas cresceu 20% entre os usuários de todo o Brasil desde a última sexta-feira, 25.

Ricardo Leite, diretor da BlaBlaCar Brasil, disse que a greve não tinha impactado no fluxo de viagens moniorado pela empresa até quinta-feira pela manhã quando a quantidade de viagens estava entre o esperado.

“Em uma semana de pré-feriado, normalmente a quantidade de caronas caí porque os usuários preferem viajar no feriadão. O aumento foi totalmente atípico e não temos dúvida que seja porque as pessoas não têm como sair ou chegar em seu trabalho ou em casa”, diz Leite.

No modelo de carona disponibilizado pela empresa, o motorista não tem lucros ao dar carona. Os passageiros dividem os custos da viagem como o preço da gasolina. Caso o abastecimento não se normalize nos próximos dias, a empresa espera mudar este modelo.

“Se as coisas não se normalizarem a tempo, vamos apelar para a solidariedade dos membros da comunidade. Quem ainda tiver gasolina, pode ajudar pessoas que precisam se movimentar, como médicos e enfermeiros”, disse.

Consultas. A procura por transporte coletivo também cresceu. O aplicativo de monitoramento de transporte público, Moovit Brasil, notou um crescimento de 40% nas buscas feitas por usuários de todo o País.

“Ainda não percebemos nenhuma alteração sensível nas nossas operações de caronas. Mas as buscas por informações de transporte público está acima da média”, disse Pedro Palhares, diretor do Moovit Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.