DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Em meio ao zika, PE ergue galo gigante e dá início ao carnaval

Segundo organizadores da festa, surto não vai afastar os foliões; em Olinda, dia foi dedicado à lavagem das ladeiras

MONICA BERNARDES, Especial para O Estado

04 de fevereiro de 2016 | 19h01

RECIFE- O carnaval em Pernambuco já está a todo vapor e organizadores da festa em Olinda e Recife afirmam que o surto de zika não vai afastar o folião das ruas. Nesta quinta, a alegoria do galo gigante - que se tornou símbolo do carnaval de Pernambuco - já reina absoluta na Ponte Duarte Coelho, localizada na região central da capital pernambucana. A escultura de 27 metros de altura e 33 toneladas começou a ser montada ainda na noite da quarta-feira e no final da tarde desta quinta, ficou de pé, encantando turistas e moradores que aguardavam seu “despertar”. 

Este ano, o bloco Galo da Madrugada homenageia o cantor Chico Science, morto em um acidente de carro em 1997, e o Maestro Forró, um dos ícones da cultura local na atualidade. Os organizadores do carnaval em Pernambuco, tanto em Recife como em Olinda, afirmam que "nem a zika ou a economia em crise afastam o folião do carnaval".

E a roupa do 'Galo Maestro-Mangue Boy' conquistou os foliões. Este ano ele surgiu vestido com as cores verde e vermelho. Na coxa, guarda a flauta do Maestro Forró e, no rosto, ostenta os óculos de Chico Science. O galo é a maior escultura carnavalesca do mundo, segundo o Guinness Book. Com estrutura de ferro, a peça é coberta por fibra de coco, material leve, resistente e sustentável.

No início da noite, os organizadores do bloco realizaram o desfile do “Galo ao contrário”, arrastando milhares de foliões. O desfile é, na verdade, um teste de percurso para o grande dia do gigante do Carnaval, no Sábado de Zé Pereira, 6.

Em Olinda, o dia foi dedicado à lavagem das ladeiras por onde milhares de foliões passam durante o carnaval. Cerca de 120 profissionais lavaram as ruas, às 6h30, ao som de muito frevo e em clima de festa. Para a limpeza completa, foram gastos 16 mil litros de água de um caminhão-pipa, e 200 litros de essência de eucalipto.

Contrariando a epidemia de zika, chikungunya e dengue que castiga o Estado e até mesmo as dificuldades provocadas pela crise econômica que atinge todo o País, o carnaval de 2016 segue em ritmo acelerado, ao ritmo do frevo e do maracatu. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) em Pernambuco, a taxa de ocupação de hotéis no Estado, em 2016, atingiu o índice de 85% em Recife, 90% em Porto de Galinhas (balneário localizado no litoral sul do Estado) e 90% em Olinda. Os números são inferiores aos de anos anteriores, mas são considerados “bons” em função do momento econômico turbulento.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.