Reprodução/EuroNews
Reprodução/EuroNews

Em mensagens, italiano confessa assassinato de ex-modelo brasileira

Segundo a polícia, em vídeo Stefano Moruzzi admite homicídio e diz ter feito 'coisas horríveis'

Estadão.com.br, com Ansa

27 Abril 2011 | 15h03

BOLONHA - A polícia italiana encontrou bilhetes e um vídeo nos quais o aposentado Stefano Moruzzi, de 61 anos, confessa o assassinato da ex-modelo brasileira Maria de Assis Cibele Johnson, de 50, sua ex-namorada.

 

As evidências foram achadas nesta quarta-feira, 27, em uma casa na cidade italiana de Bolonha. Nos bilhetes, o italiano usa frases desconexas para fazer referência à sua relação com a vítima. Já no vídeo, ele confessa o homicídio e afirma ter feito "coisas horríveis."

 

Moruzzi, de 61 anos, se matou ontem em sua casa perto de Bolonha, depois de ter assassinado, algumas horas antes, na cidade italiana de Módena, a brasileira de 50 anos.

 

O vídeo, de acordo com os investigadores, estava em um gravador analógico, encontrado na cama, junto com um refil de arma com oito balas.

 

No total, os policiais encontraram 12 projéteis calibre 9x21, e os cartuchos dos dois tiros disparados pelo homem no quarto, sendo um para o ar e um contra ele mesmo.

 

Ressentimento. Amigo próximo da ex-modelo, o colunista social de Manaus Pedrinho Aguiar cobriu há um mês a festa dos 50 anos de Maria de Assis, que era conhecida como Cybele Johnson, em Manaus.

 

"Ela estava radiante como sempre. Mas estava magoada com a história do ex-namorado, que era casado. Ela tinha terminado o namoro e queria seguir sua vida, só que ele não aceitava o fim do relacionamento", contou Aguiar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.