Em Minas, presidente vê petista já eleita e ataca PSDB

Cumprindo um script traçado pela campanha de Hélio Costa (PMDB), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu ênfase ontem à disputa pelo governo de Minas durante comício em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte. Tratando a presidenciável petista Dilma Rousseff como virtual eleita, Lula atacou a gestão tucana no Estado e defendeu uma administração estadual alinhada com o governo federal.

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 00h00

"Vamos para a rua fazer o enfrentamento. Vamos ganhar estas eleições, porque Minas Gerais é um Estado muito importante para o Brasil e pode fazer muito mais se trabalhar junto com o governo federal", conclamou Lula, perante um público estimado em 5 mil pessoas.

Confiante na vitória de Dilma, a campanha de Costa procura "nacionalizar" a disputa estadual. A coligação liderada por PT e PMDB recorreu a Lula como forma de confrontar a popularidade do ex-governador Aécio (PSDB) no Estado. A tática de federalizar a eleição em Minas tem também como objetivo combater o chamado "Dilmasia" - o apoio simultâneo a Dilma e ao candidato tucano ao governo do Estado, Antônio Anastasia. Após o início do horário eleitoral no rádio e na TV, vinculado à imagem de Aécio, Anastasia assumiu rapidamente uma curva ascendente e conseguiu reverter uma desvantagem de mais de 20 pontos porcentuais nas intenções de voto, chegando ao empate técnico com Costa, segundo a última pesquisa Ibope.

Lula evitou ataques a Aécio e Anastasia, mas acusou o Estado de não investir o porcentual mínimo exigido na saúde conforme a Emenda 29.

"Quando a gente queria votar a Emenda 29 e obrigar todos os Estados a cumprirem a Constituição e colocarem 12% da sua arrecadação na saúde, este Estado aqui não colocava 12% na saúde. Colocava 6%. Isso as pessoas precisam saber", discursou o presidente. Citou também números de beneficiados em Minas com programas federais como o ProUni e o Bolsa-Família e investimentos federais. "Quanto de dinheiro eles gastaram com os pobres neste Estado?", questionou. "Pobre para eles só tem valor em época de eleição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.