Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros

Em Minas, sindicato vai interromper circulação de ônibus em locais de ataques

Mais dois ataques foram registrados na terça; até junho, 14 coletivos foram queimados

Leonardo Augusto, Especial para O Estado de São Paulo

27 de junho de 2018 | 15h09

BELO HORIZONTE - Com mais dois ônibus queimados nesta terça-feira, 26, na capital mineira, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setra), Joel Jorge Pasqualini, afirmou nesta quarta, 27, que o serviço vai ser interrompido nas regiões que registrarem novas ocorrências. O anúncio foi feito ao lado do governador do estado, Fernando Pimentel (PT), e do prefeito da cidade, Alexandre Kalil (PHS).

Os dois ônibus foram queimados em Venda Nova, na região Norte de Belo Horizonte. O governador voltou a afirmar que os ataques a ônibus em Minas, que começaram no início de junho, são realizados por uma organização criminosa insatisfeita, segundo ele, com a política carcerária no estado. Os ataques teriam partido do PCC

Segundo Pimentel, de janeiro a junho de 2017 foram registrados 20 ataques a ônibus. No mesmo período deste ano, 14 coletivos foram queimados. "Um ataque já é muito. Nosso objetivo é zerar, é não ter nenhum. Mas, para isso, nós temos que contar com a colaboração também da comunidade", disse.

Tanto o governador quanto o prefeito querem que a população denuncie os casos. "A comunidade vai ter que tomar conta, junto com a Polícia Militar e a Guarda Municipal, e denunciar", afirmou. Um canal específico dentro do Disque Denúncia Unificado (181), já existente, poderá ser usado pela comunidade para relatar esses casos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.