Em Minas, tucano volta a criticar Dilma por ter trocado programa

'Nós não temos essa dupla cara. Uma hora é aliado do MST, noutra é inimigo', atacou, durante caminhada em Minas

Heraldo Leite, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2010 | 00h00

ESPECIAL PARA O ESTADO

BELO HORIZONTE

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, retomou ontem as críticas à candidata do PT, Dilma Rousseff, por ter "voltado atrás" em seu programa de governo. "Nós não temos essa dupla cara. Uma hora é aliado do MST, noutra é inimigo. Uma hora defende o fim da liberdade de imprensa, noutra prega a imprensa livre. Nossos programas são setoriais e sempre coerentes", ressaltou o presidenciável tucano.

Serra participou de uma caminhada em Venda Nova, região norte de Belo Horizonte, ao lado do ex-governador Aécio Neves (PSDB), que é candidato ao Senado, e do atual governador e candidato ao Palácio da Liberdade Antonio Anastasia. Ao defender a realização de uma série de obras de infraestrutura para Belo Horizonte, já de olho na Copa do Mundo de 2014, o candidato garantiu que não "estava listando projetos". "Estamos anunciando que vamos fazer", observou.

Serra evitou qualquer comparação com o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), menina dos olhos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um dos motes de campanha de Dilma.

Multa. O candidato também alegou que desconhecia a aplicação de uma multa do Tribunal Superior Eleitoral. Em 35 minutos, Serra desembarcou de uma van, encontrou-se com os dois colegas de partido e caminhou cerca de um quarteirão pelas ruas centrais de Venda Nova distribuindo beijinhos e posando para fotografias.

Aécio afirmou que no mês que vem terá compromissos de campanha ao lado de Serra pelo Brasil e afirmou que Anastasia e ele querem sempre Serra por perto. "Tantas vezes quanto for possível", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.