EFE/ANDREAS SOLARO
EFE/ANDREAS SOLARO

Em missa de Páscoa sem fiéis, Papa Francisco pede ao mundo o "contágio da esperança"

Pontífice mais uma vez agradeceu aos médicos e enfermeiros, e a todos os profissionais que garantem os serviços essenciais necessários à convivência civil e pediu união para enfrentar a pandemia de Covid-19

Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 08h49

O Papa Francisco celebrou neste domingo a missa do Domingo de Páscoa, com a tradicional benção "Urbi et Orbi", sem a presença de fiéis na Basílica de São Pedro. Francisco pediu solidariedade global no combate ao coronavírus e as conseqüências econômicas, instando ao relaxamento de sanções internacionais, alívio de dívidas para os países pobres e cessar-fogo em todos os conflitos.

O pontífice mais uma vez agradeceu aos médicos e enfermeiros, e a todos os profissionais que garantem os serviços essenciais necessários à convivência civil e pediu união para enfrentar a pandemia de Covid-19, que já atingiu mais de 1,7 milhão de pessoas em todo o mundo.

Em um mundo "dominado pela pandemia, que está colocando nossa grande família à prova", o Papa pediu "o contágio da esperança" e direcionou o discurso aos "afetados diretamente pelo coronavírus, pelos doentes, pelos que morreram e pelas famílias".

Ele também fez um apelo para que não faltem os bens de primeira necessidade aos que vivem nas periferias, aos refugiados e aos desabrigados. “Este não é tempo para egoísmos, pois o desafio que enfrentamos nos une a todos e não faz distinção de pessoas”, diz Francisco. O pontífice não fez a tradicional homilia, sua mensagem aconteceu no momento da benção "Urbi et Orbi".

“Palavras como indiferença, egoísmo, divisão, esquecimento não são as que queremos ouvir neste tempo. Mais, queremos bani-las de todos os tempos! Essas palavras prevalecem quando em nós vencem o medo e a morte, isto é, quando não deixamos o Senhor Jesus vencer no nosso coração e na nossa vida. Ele, que já derrotou a morte abrindo-nos a senda da salvação eterna, dissipe as trevas da nossa pobre humanidade e introduza-nos no seu dia glorioso, que não conhece ocaso”, concluiu antes de conceder a bênção Urbi et Orbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.