Em nota, Dilma deseja 'saúde e paz' a Bento XVI

Presidente ainda não havia se manifestado sobre a renúncia do papa, que se despede nesta quinta; silêncio causou desconforto entre integrantes da Igreja no Brasil

O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2013 | 07h36

A presidente Dilma Rousseff desejou "saúde e paz" ao papa Bento XVI, em nota divulgada no início da manhã desta quinta-feira, 28. Dilma ainda não havia se manifestado oficialmente sobre a renúncia, anunciada no dia 11. A despedida do líder católico de seu pontificado será nesta quinta.

 

No texto, a presidente destacou a visita do papa ao Brasil, em 2007, e gestos que refletiriam o "apreço" de Bento XVI pelo País. "Ao findar o seu Papado, manifesto o meu respeito pela decisão de Vossa Santidade de renunciar à Cátedra de S. Pedro", disse Dilma.

 

O silêncio do governo brasileiro gerou desconforto entre lideranças católicas brasileiras. Ao Estado, o presidente da CNBB, d. Raymundo Damasceno afirmou que seria de "bom tom" o Brasil se manifestar. A demora pela manifestação foi interpretada como uma reação a confrontos passados entre a presidente e a Igreja. Durante a campanha eleitoral de 2010, Dilma foi questionada por setores conservadores sobre suas posições relacionadas ao aborto e ao casamento homossexual.

 

Abaixo, a íntegra da nota:

 

"Santo Padre,

 

Ao findar o seu Papado, manifesto o meu respeito pela decisão de Vossa Santidade de renunciar à Cátedra de S. Pedro.

 

Nesta oportunidade, recordo os gestos de apreço com que o meu país foi distinguido nesses últimos anos. São marcos históricos no relacionamento entre a Santa Sé e o Brasil a escolha de Aparecida do Norte para sediar a V CELAM, que ensejou a sua visita ao país, a canonização do primeiro Santo brasileiro, Dom Antonio Galvão de França, assim como a histórica decisão de realizar a Jornada Mundial da Juventude na cidade do Rio de Janeiro.

 

Desejo que essa nova fase de recolhimento o encontre com saúde e paz.

 

Respeitosamente,

Dilma Rousseff

Presidenta da República Federativa do Brasil"

 

 

Mais conteúdo sobre:
papa bento 16 renúncia papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.