Em nota, igreja lamenta morte de menina em pia batismal

A Igreja Adventista do Sétimo Dia de Santa Catarina lamentou, em nota divulgada nesta segunda-feira, 5, a morte de Gabrielli Cristina, de 1 ano e 8 meses, que foi encontrada na manhã de sábado, 3, em uma pia batismal da igreja. De acordo com o laudo necroscópico, a menina foi estuprada e estrangulada. A igreja diz que "repudia com veemência esse ato horrendo que vitimou a criança."A nota, assinada pelo Pastor Lourival Gomes de Souza, presidente da Igreja Adventista em Santa Catarina, afirma ainda que a comunidade é conhecida por pregar contra a violência e "a favor dos valores cristãos, entre os quais o da valorização da família e o respeito às crianças", lamenta o fato e diz estar unida com a família da vítima.FamíliaGabrielli era filha de Juliarde Luiz Eichholz e Andréia Pereira, ambos com 26 anos. Eles têm outro filho de 5 anos. A criança havia sido levada até o templo por um casal de primos e foi deixada com outras crianças em uma pequena sala, de onde desapareceu.A menina foi encontrada desacordada, por volta das 10h30 de sábado, por fiéis que estavam no culto de reinauguração da igreja, situada no bairro Iririú. A menina foi socorrida, mas chegou morta na emergência do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt.Na nota, a igreja afirma que seus templos são abertos ao público e que está "ao lado da Polícia e da Justiça na busca da elucidação completa do episódio." O presidente da igreja diz ainda que colabora para as investigações desde que o crime foi descoberto. InvestigaçãoAinda no sábado, um homem que teria sido visto com a menina chegou a ser preso, mas foi liberado pelo delegado de plantão, Rubens Passos de Freitas, após prestar depoimento, por falta de provas contra ele. A Polícia Militar localizou, no pátio de uma residência situada perto do templo onde ocorreu o crime, vestimentas masculinas molhadas. Segundo o delegado, esse indício não tinha relação com o crime. "O estranho é que nenhuma das pessoas que estavam no culto viu o que aconteceu, nem mesmo presenciou a menina sendo colocada na pia batismal, que fica junto ao altar", comentou o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.