Em novo arrastão, 34 turistas são roubados em albergue do Rio

Vítimas foram imobilizadas e pelo menos um turista foi ferido por não entender a ordem dos ladrões

Felipe Werneck e Solange Spigliatti, O Estado de S. Paulo e estadao.com.br

19 Fevereiro 2009 | 08h49

Em menos de 24 horas, pelo menos 47 turistas foram vítimas de dois arrastões em albergues do Rio. Na madrugada desta quinta-feira, 19, sete homens armados com pistolas e granadas invadiram o albergue Samba Villa, na região da Lapa e assaltaram 34 turistas brasileiros e estrangeiros. As vítimas foram amordaçadas e imobilizadas e pelo menos uma pessoa ficou ferida. Entre as vítimas estão norte-americanos, argentinos, coreanos e ingleses, a maioria está na cidade para passar o carnaval.   Turistas que foram vítimas do arrastão na madrugada desta quinta mostram B.O. na porta da delegacia Foto: Wilton Júnior/AE    Os assaltantes ficaram no albergue por mais de duas horas e estavam armados com facas, armas de fogo e granadas. Um dos turistas teria sido ferido na cabeça com coronhadadas. A agressão foi feita pois ele não teria entendido as ordens dos ladrões. O grupo roubou dinheiro, cartões de crédito, objetos pessoais e aparelhos eletroeletrônicos das vítimas.   Quartos do albergue foram roubados durante o arrastão. Turistas foram amordaçados no roubo Foto: Wilton Júnior/AE    Por volta das 3 horas, um funcionário do albergue abriu a porta para um homem que pedia para ia ao banheiro, segundo a Polícia Militar. Ao abrir a porta, o funcionário foi rendido e os bandidos invadiram o local, na Rua Joaquim Silva. As vítimas registraram a ocorrência na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), no Leblon, segundo a PM.   Um funcionário disse à polícia que um dos assaltantes esteve há alguns dias no albergue em busca de informações. "O que acontecia até então nos albergues eram pequenos furtos. Já acionei os batalhões para fazer rondas nos albergues da zona sul para evitar nova surpresa desagradável. Nada indica que seja a mesma quadrilha que participou do roubo de ontem ao albergue de Copacabana", afirmou a jornalistas o delegado Fernando Veloso, da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat).   "Solicitei ao chefe da Polícia Civil e ao secretário de segurança uma intensa investigação. Isso (assalto aos albergues) dói o meu coração", disse à repórteres o governador Sérgio Cabral.   Ladrões invadiram albergue da Lapa, no centro do Rio. Na quarta, albergue de Copacabana foi roubado Foto: Wilton Júnior/AE     Na quarta-feira, 18, cerca de 13 turistas foram roubados no albergue King George, em Copacabana, na zona sul do Rio. Um grupo de quatro homens invadiu o local durante a madrugada. O vigilante que estava de plantão contou à polícia que foi rendido por volta das 3 horas ao abrir o portão os criminosos, que disse ter confundido com hóspedes. Ninguém havia sido preso até a noite da quarta.   "É o Rio. Eu esperava ser assaltado na praia e na rua, mas nunca na cama, dormindo", disse o alemão Dani Bode, de 28 anos. Os assaltantes entraram nos quartos e acordaram os turistas para roubá-los. Eles foram trancados em um quatro e liberados somente com a chegada da PM, junto com o dono do albergue, George Schtinberg, que foi chamado pelo vigilante.   Schtinberg disse que uma câmera de segurança recém comprada ainda não havia sido instalada. O funcionário começou a trabalhar no albergue havia 3 semanas. "Ele (o vigilante) errou. Achou que eram hóspedes chegando da noitada. Deveria ter perguntado", declarou o dono. Ele afirmou que vai contratar mais um funcionário para trabalhar à noite e instalar a câmera.   Vítimas do arrastão da quarta-feira registram o crime na Delegacia Especial de Atendimento ao Turista. Foto: Tasso Marcelo/AE   "Não é isso que vai impedir. Se quiser roubar, rouba. Mas vou botar." Um dos turistas teria sido agredido sem gravidade. Os criminosos fugiram a pé. De acordo com o titular da Delegacia de Atendimento ao Turista, Fernando Veloso, o albergue "não adotou procedimentos básicos de segurança". Ele disse que buscará imagens gravadas de circuito interno em prédios próximos.   A diária no King George custa R$ 30. Com capacidade para 46 hóspedes, abrigava 25. "Sete já foram embora hoje. É o Rio que perde com a violência. Os turistas já chegam com medo", declarou Schtinberg. O albergue funciona há 4 anos na Rua Guimarães Natal e segundo o dono nunca havia sido assaltado.   Outros casos   Em janeiro, um casal de turistas ingleses foi esfaqueado durante um assalto. Em novembro, um norueguês foi baleado no ombro direito por traficantes no complexo de favelas da Maré - ele e dois amigos voltavam de Búzios e teriam errado o caminho. Em setembro, um alemão foi agredido por um assaltante em Copacabana. Em agosto, um funcionário do consulado do Vietnã foi sequestrado junto com quatro turistas chineses na Estrada das Paineiras. Eles fugiram do cativeiro. Até hoje o caso não foi esclarecido pela polícia.   Texto alterado às 15h38 para acréscimo de informações. Com informações da Reuters.

Mais conteúdo sobre:
albergue arrastão Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.