Em Paris, é opção de luxo, mas aguarda sanção

Depois de seis anos de luta, os mototaxistas parisienses têm razões para comemorar. O Senado da França aprovou, há três semanas, o primeiro regulamento da profissão. O texto, que dependente de sanção do Executivo, legaliza a atuação dos mais de 200 condutores de Paris. O serviço funcionará, em tese, apenas sob reserva. Um trajeto de 30 km entre o centro de Paris e o Aeroporto de Roissy-Charles de Gaulle custa em média 60 - o equivalente a um táxi. Na capital, grande parte das empresas presta um serviço de luxo ou ambientalmente responsável. Antes mesmo da regulamentação, as principais companhias ofereciam seguros ilimitados para danos corporais de até 7 milhões para perdas materiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.