Em Paris, Lula dá conselhos e critica 'geração de líderes'

Agraciado com título do Sciences-Po, petista diz que políticos devem 'assumir as rédeas' da crise na União Europeia

ANDREI NETTO , CORRESPONDENTE / PARIS , O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2011 | 03h01

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve uma recepção de pop star ontem, em Paris, durante a cerimônia de entrega do título de doutor honoris causa pelo Instituto de Estudos Políticos (Sciences-Po), o maior da França. Em seu discurso, o ex-chefe de Estado enalteceu o próprio mandato e multiplicou os conselhos aos líderes políticos da Europa, que atravessa uma forte crise econômica. Antes, durante e depois, Lula foi ovacionado por estudantes brasileiros.

A cerimônia foi realizada no auditório do instituto, com a presença de acadêmicos franceses e de quatro ex-ministros de seu governo: José Dirceu, Luiz Dulci, Márcio Thomaz Bastos e Carlos Lupi. Vestido de toga, o ex-presidente chegou à sala acompanhado de uma batucada promovida por estudantes. Ao entrar no auditório, foi aplaudido em pé aos gritos de "Olé, Lula".

Em seguida, tornou-se o primeiro latino-americano a receber o título, já concedido a líderes políticos como o checo Vaclav Havel. Em seu discurso, o diretor do instituto, Richard Descoings, se disse "entusiasta" das conquistas obtidas pelo Brasil no mandato do petista. "O senhor lutou para que o Brasil alcançasse um novo patamar internacional", disse. "Não é mais possível tratar de um assunto global sem que as autoridades brasileiras sejam consultadas."

Conselhos. O economista Jean-Claude Casanova, responsável pelo discurso em homenagem ao novo doutor, lamentou que a Europa não tenha um líder "de trajetória política tão iluminada". Casanova pediu ainda que Lula aproveitasse "sua viagem para dar conselhos aos europeus" sobre gestão de dívida, déficit e crescimento econômico.

Em um discurso de 40 minutos, Lula falou de avanços de seu governo, citando a criação de empregos, a redução da miséria e o aumento do salário mínimo e a criação do Bolsa Família, além de elogiar sua sucessora, Dilma Rousseff.

Lançou-se, então, aos conselhos. Primeiro, criticou "uma geração de líderes" mundiais que "passou muito tempo acreditando no mercado, em (Ronald)Reagan e (Margaret)Thatcher", e recomendou aos líderes da União Europeia que assumam as rédeas da crise com intervenções políticas, e não mais econômicas. "Não é a hora de negar a política. A União Europeia é um patrimônio da humanidade", reiterou.

Na saída, estudantes se acotovelaram aos gritos por fotos e autógrafos do ex-presidente, que não falou à imprensa. Impressionado com a euforia dos estudantes, Descoings disse ao Estado: "A última vez que vi isso foi com (Mikhail) Gorbachev, há cinco ou seis anos. Mas com Lula foi ainda mais caloroso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.