Em Pernambuco, 25 são presos sob suspeita de integrar milícia

Grupo é formado por traficantes, vigilantes, assaltantes, presos e policiais; líder seria ex-vereador de Olinda

da Redação, estadao.com.br

17 de março de 2009 | 12h55

Vinte e cinco pessoas foram presas na manhã desta terça-feira, 17, sob acusação de integrarem uma milícia em Pernambuco. Apenas um dos 26 mandados de prisão preventiva ainda não foi cumprido pela Polícia Federal, que deflagrou a Operação Êxodo 7.

 

Os acusados seriam chefiados por um ex-vereador de Olinda e estariam envolvidos com drogas e assaltos. Detalhes da operação e do esquema devem ser divulgados pela PF no Recife na tarde desta terça.

 

Traficantes, vigilantes, assaltantes, detentos do Sistema Prisional e policiais civis e militares são acusados de integrar a milícia. A base da organização criminosa seria no bairro de Rio Doce. O grupo forma uma milícia urbana que controla o bairro, valendo-se, inclusive, do extermínio de criminosos rivais e desafetos.

 

Além dos 26 mandados de prisão preventiva, os 140 agentes da PF cumprem 28 mandados de busca e apreensão e seis mandados de condução coercitiva de testemunhas, todos expedidos pelo Juízo de Direito da 3ª Vara Criminal de Olinda.

 

A operação, cujas investigações foram iniciadas há cerca de 4 meses, conta com 140 policiais federais, sete policiais civis e 14 policiais militares. O trabalho representa uma resposta da PF à atividade de extermínio, uma realidade no Estado de Pernambuco, auxiliando as forças policiais estaduais no combate a esse tipo de crime.

 

Os presos responderão por quadrilha armada, tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, tráfico de armas, concussão e corrupção ativa e passiva e homicídio qualificado, cujas penas variam entre um e 30 anos de reclusão.

 

O nome da operação é uma alusão à passagem bíblica do capítulo 7 do livro de Êxodo, que narra o episódio em que o Egito foi assolado por uma praga em que as águas de seu principal rio, o Nilo ("Rio Doce"), foram transformadas em sangue.

Tudo o que sabemos sobre:
crime organizadomilícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.