Em protesto contra Igreja, gays se beijam no Rio

Ativistas gays fizeram um "beijaço" em frente à Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, zona sul do Rio, para condenar a posição da Igreja Católica contra a união entre pessoas do mesmo sexo. O "beijaço" foi marcado por troca de beijos entre casais gays na frente da igreja. O presidente do Grupo Arco-Íris, Cláudio Nascimento, deixou na igreja um documento em que renega o batismo. Ele foi impedido de entrar na Nossa Senhora da Paz por um segurança e empurrou seu pedido de apostasia por baixo da porta principal.O protesto reuniu cerca de 50 ativistas gays. "Não é uma postura de oposição à Igreja, mas um veemente protesto à posição do Vaticano que tenta se estabelecer como lei para toda a sociedade. Os dogmas devem ficar restritos aos fiéis. Nosso Estado é laico", disse Nascimento. Além dos beijos em público, os manifestantes distribuíram 5 mil preservativos. Apesar de angariar apoios entre os transeuntes, os gays também enfrentaram oposição. "Esse é um protesto absurdo. A Igreja está certa e como cristã me sinto ofendida por eles estarem aqui", disse a comerciante Rosa Frias, de 50 anos. A Arquidiocese do Rio foi procurada pela reportagem, mas não quis comentar o protesto.

Agencia Estado,

03 de agosto de 2003 | 17h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.