Em relação a denúncias, Serra lamenta "baixarias tão primitivas"

O candidato do PSDB ao Governo de São Paulo, José Serra, voltou a classificar de "baixaria" as denúncias publicadas pela revista IstoÉ neste fim de semana na entrevista com os donos da Planam, Darci Vedoin e seu filho Luiz Antonio Vedoin. "É lamentável que no Brasil ainda existam procedimentos de baixaria tão primitivos destinados a enganar os eleitores na última hora", afirmou Serra, para quem isso é uma "medida de desespero" dos seus adversários, por conta de sua liderança nas pesquisas de intenção de votos no Estado. Serra afirmou que já está estudando medidas de processo-crime com relação à denúncia.O candidato do PSDB insistiu que o assunto deve ser investigado pela Polícia Federal e pela Justiça. E afirmou que o mais importante agora é descobrir de onde veio o dinheiro encontrado pela polícia num hotel de São Paulo (R$ 1,7 milhão), no momento da prisão de Valdebran Carlos Padilha da Silva e Gedimar Pereira Passos, suspeitos de envolvimento em compra de documentos relacionados ao caso da máfia dos sanguessugas. "Dinheiro não nasce em árvore", disse Serra. "Temos de descobrir de onde veio e qual destino que teria."Serra disse não saber se a denúncia teria tido origem num único indivíduo ou se seria algo orquestrado por algum grupo político, e afirmou que a polícia deve ficar à frente das investigações. "Polícia e Justiça é o caminho correto."CampanhaEm comício na Vila Jacuí, em São Miguel Paulista, na Zona Leste de São Paulo, Serra falou em "baixarias eleitorais", relembrando sua campanha à prefeitura da cidade: "puseram uma pessoa de cadeira de rodas para falar mal de mim", disse. O tom de Serra em seu discurso foi de alertar para que seus adversários estariam "prontos para baixaria" nos últimos dias da campanha eleitoral. "Já começaram. Não deu certo, mas vão tentar de novo, no desespero."Ainda durante o comício, Serra falou que as pesquisas indicam que ele pode ganhar no primeiro turno, mas que ele prefere não contar antecipadamente com isso, porque "o resultado sairá das urnas". Ele pediu aos militantes do PSDB apoio à candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República. "Alckmin tem de ir para o segundo turno, porque no segundo turno começa uma outra eleição. Ele foi um grande governador de São Paulo."Antes do comício, Serra esteve em Cidade Tiradentes, também na Zona Leste, onde fez visitas para conversar com os moradores da região e colher opiniões sobre sua gestão como prefeito de São Paulo. Sua campanha eleitoral, nesta fase, vai se dedicar mais a este tipo de visita e contatos diretos com a população, disse ele.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2006 | 17h38

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.