Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Em SC, 16 cidades decretam emergência e uma calamidade

Em Guaraciaba, quatro pessoas morreram e prefeitura decretou calamidade pública depois de tornado

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

09 de setembro de 2009 | 11h40

Subiu para 16 o número de municípios de Santa Catarina que decretaram situação de emergência por conta dos temporais que atingiram o Estado desde a noite da última segunda-feira, 7, segundo informações da Defesa Civil Estadual, divulgadas no fim da manhã desta quarta-feira, 9. A cidade de Guaraciaba decretou estado de calamidade pública. Quatro pessoas morreram em Guaraciaba por causa das tempestades.

 

Veja também:

link Guaraciaba tem 60 casas destruídas e suspende aulas

mais imagens GALERIA: Imagens da chuva e do caos em SP na terça

blog BLOG: Acompanhe a situação do trânsito na cidade

lista COMENTE: Twitter do estadao.com.br

mais imagens PARTICIPE: Sofreu com a chuva? Mande sua foto

especial ESPECIAL: Temporal fora de época para São Paulo

video VÍDEO: Trânsito parado e alagamentos em SP 

 

As cidades afetadas e que já decretaram a situação são Abelardo Luz, Corupá, Entre Rios, Dionísio Cerqueira, São Bernardino, Ipuaçu, Monte Castelo, Passos Maia, Rio das Antas, Santa Terezinha do Progresso, São Domingos, Schroeder, Vargeão, Vargem Bonita, Lebon Régis e Ouro Verde.

Guaraciaba está em estado de calamidade pública.

 

Segundo a Defesa Civil, nas 50 cidades que já reportaram danos, foram registradas 68.568 pessoas que foram afetadas, 1.153 desabrigadas, 14.532 desalojadas, 247 deslocadas, 138 feridas, quatro mortas e 11.620 edificações danificadas ou destruídas em todo o Estado.

 

Tornado

 

Os moradores de 15 comunidades do município de Guaraciaba foram atingidas por tornado por volta das 21 horas da segunda. Balanço divulgado nesta quarta aponta que cerca de 170 famílias estão desabrigadas na cidade, 60 delas perderam todos os bens e quatro pessoas morreram - uma mulher de 40 anos, uma senhora de 80, um idoso de 94 e uma criança de 9 anos. Uma pessoa continua internada em estado grave.

 

As dez equipes, formadas por 32 policiais militares, 30 bombeiros e dezenas voluntários, continuam os trabalhos de socorro às vítimas, desobstrução de ruas, corte de árvores e distribuição de lonas.

 

De acordo com o governo, a força do vento, que ultrapassou os 120 km/h e durou cerca de 90 minutos, destruiu casas, galpões, aviários, pocilgas, reflorestamento e deixaram matas nativas totalmente arrasadas.

 

Duas escolas estaduais foram atingidas. A EEB Sara Castelhano Kleinkauf, no centro da cidade, teve o telhado e paredes do ginásio, inaugurado no início de 2008, arrancadas e jogadas sobre os blocos de salas de aula.

 

A EEB Julio Vicente de Pelegrin, na Linha Guataparema, foi totalmente destruída, assim como o ginásio, que teve telhado e paredes jogados ao chão. Outras escolas estaduais do município também foram atingidas, mas com menor intensidade. As aulas estão suspensas.

 

Texto ampliado às 12h52 para acréscimos de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.