Em SC, 3 pessoas ainda estão desaparecidas

Passados dois meses de um dos piores desastres naturais do País, que resultou na morte de 135 pessoas, 14 cidades catarinenses ainda se mantêm em estado de calamidade pública e outras 80 em situação de emergência por causa da chuva. O ápice da tragédia ocorreu no dia 22 de novembro do ano passado. Os decretos de calamidade e emergência devem ser mantidos pelos próximos 30 dias.A região mais atingida foi o vale do Rio Itajaí, no litoral norte catarinense, onde ocorreu a maioria das mortes por deslizamento de terra. Ilhota lidera o número de óbitos, com 47, seguido por Blumenau (24) e Gaspar (21). Pelo menos três pessoas seguem desaparecidas.Cerca de 40% da população dessas cidades continua desalojada e desabrigada. São 27.236 pessoas vivendo em casas de amigos ou parentes e outras 5.617 em abrigos mantidos pelo governo. Localidades, como o Complexo do Baú, uma comunidade rural de Ilhota, continua interditada.O processo de reconstrução do Estado conta com recursos do governo federal no valor de R$ 3,5 bilhões, que estão sendo liberados principalmente para infraestrutura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.