Em SC, polêmica sobre prêmio dura mais de 1 ano

Dura um ano e três meses o imbróglio judicial que determinará o dono dos R$ 27,7 milhões do prêmio do concurso 898 da Mega-Sena, sorteado em 1.º de setembro de 2007. Em primeira instância, há cerca de quatro meses, a Justiça de Joaçaba (SC) determinou a divisão entre o marceneiro Flávio Júnior Biass e seu patrão, Altamir da Igreja. Ambos recorreram. O processo deve ser julgado no início de 2009. O valor segue depositado numa caderneta de poupança da Caixa Econômica Federal. Flávio, que inicialmente concordava com o prêmio dividido, quer agora que a Justiça diga de quem é o bilhete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.