Em SC, sobe para 20 o número de cidades em emergências pelas chuvas

Região Sul e Joinville foram as regiões mais prejudicadas e, em todo Estado, já são 11,5 mil desalojados em 32 cidades

Júlio Castro, Especial para O Estado

21 de janeiro de 2011 | 15h26

FLORIANÓPOLIS - Já ultrapassa em 370 mil os atingidos pelas chuvas que caem sobre Santa Catarina desde a última terça-feira. Em 32 cidades já são 11,5 mil os desalojados, sendo a região Sul e Joinville, a maior cidade do Estado, onde 6,2 mil pessoas tiveram que deixar suas casas, as mais prejudicadas. Os dados são da Defesa Civil de Santa Catarina.

 

Até o início da tarde desta sexta-feira, 21, das 32 cidades afetadas, 20 decretaram situação de emergência, a maioria (14) da região Sul. São elas: Cocal do sul, Corupá, Criciúma, Forquilhinha, Grão Pará, Guaramirim, Içara, Imaruí, Jaraguá do Sul, Maracajá, Meleiro, Mirim doce, Morro Grande, Nova Veneza, Orleans, Passo de Torres, Pedras Grandes, Siderópolis, Tubarão e Urussanga.

 

A Defesa Civil, em parceria com a Epagri/Ciram, o principal instituto meteorológico de Santa Catarina, distribuiu alerta à população catarinense para a ocorrência de pancadas de chuvas com trovoadas em todas as regiões do Estado nos próximos dias. Os volumes variam entre 40 mm a 60 mm em pontos bem localizados da Grande Florianópolis e vale do Itajaí. No Planalto norte e, principalmente, Litoral Norte do Estado, o volume pode variar de 50 a 100 mm, o que pode resultar em pontos de alagamento e com risco de deslizamento em áreas de encosta, principalmente para aquelas já vulneráveis e com solo saturado por causa da chuva dos últimos dias.

 

Equipes da Defesa Civil estão mobilizadas para atender eventuais emergências. Paralelamente, o órgão já está aplicando em obras e serviços contratados a importância de R$ 300 mil liberados emergencialmente pelo governo para atender os municípios da região Sul (Criciúma, Siderópolis, Cocal do Sul, Nova Veneza, Morro da Fumaça e Forquilhinhas), atingidos pelas fortes chuvas dos últimos dias.

 

O alerta não se limita apenas às ações da Defesa Civil. A Vigilância Sanitária de Blumenau, no Vale do Itajaí, desenvolve campanha para conscientizar a população dos riscos ao contágio de doenças características do período de chuvas. A água parada, principalmente em contato com o esgoto, é o principal meio de transmissão de leptospirose, hepatite A, cólera e tifo. Em novembro de 2008, na tragédia das chuvas que ocasionaram a morte de 135 pessoas, foram confirmados 150 casos das doenças infecto-contagiosas na cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.