Em segundos, três pavilhões da Detenção no chão

Com a presença do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), três pavilhões da Casa de Detenção do Carandiru foram implodidos neste domingo, pontualmente às 11 horas. Também estavam presentes o ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ribeiro, e o secretário de Administração Penitenciária de São Paulo, Nagashi Furokawa.A parte inferior dos três prédios foi coberta com plástico para impedir que estilhaços de concreto voassem. O próprio Alckmin apertou o botão que deflagrou a implosão. Uma espessa nuvem de pó amarelado elevou-se dos escombros. A implosão durou menos do que os sete segundos programados.Foram implodidos os pavilhões 6, 8 e 9 do Complexo Carandiru. Três mil pontos de perfuração foram preenchidos com 250 quilos de explosivos. A implosão ocorreu simultaneamente nos trêspavilhões, gerando aproximadamente 80 mil toneladas de entulho. O procedimento foium sucesso, segundo avaliação de técnicos presentes no local.No lugar dos três pavilhões será construído o Parque da Juventude, que visa aoatendimento de milhares de jovens do Estado, oferecendo cursos e atividades gratuitas.A primeira fase das obras já foi iniciada e deve ser entregue no primeiro semestre de2003.Veja galeria de fotos da implosão.Veja galeria de fotos da Casa de Detenção após a saída dos presos, em setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.