Em SP, abordagem caiu 80%

Após a direção da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) anunciar uma ofensiva contra os usuários de drogas em suas dependências, em junho, o número de pessoas abordadas caiu em 80%. Antes do início da campanha, dez estudantes eram abordados diariamente pelos seguranças da universidade fumando maconha. Agora, a média é de dois por dia. "Houve uma sensível redução de abordagem depois que passamos a conscientizar os alunos a não fumar maconha na universidade. Tivemos uma resposta positiva", afirmou o pró-reitor de Cultura e Relações Comunitárias da PUC, Hélio Roberto Deliberador. Em 7 de junho, a direção admitiu publicamente que existe o consumo de drogas no campus. A reitoria avisou os mais de 20 mil alunos, por e-mail, que não iria mais tolerar o uso de maconha na universidade. Os 120 seguranças contratados pela PUC foram orientados a abordar o usuário de forma civilizada. Quem for pego fumando maconha é "convidado" a apagar o cigarro. "Temos esperança que, num futuro próximo, não existam mais usuários de drogas em nossa universidade", prevê o pró-reitor, que comemorou a iniciativa da PUC do Rio.

Leandro Calixto, O Estadao de S.Paulo

09 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.